A Rua Luís Piçarra e Costah no Alto do Lumiar

No Alto do Lumiar, o MURO’19- Festival de Arte Urbana de Lisboa que ligou a arte mural  à música presente na toponímia da zona foi também o ponto de encontro do cantor Luís Piçarra que é ali nome de rua e do portuense Costah, com a sua intervenção artística Há Sempre Música Entre Nós, próximo de uma grande superfície comercial da Avenida David Mourão-Ferreira.

Natural do Porto, Nuno Costah realizou os seus primeiros murais ainda na década de noventa, cerca de 1997. Em 2003, iniciou-se na técnica das colagens e stencil’s na sua cidade natal e quatro anos depois, em 2007, começou a assinar como Costah, ano em que também se passou a dedicar à tatuagem. Costah criou um novo estilo,  ilustrativo e versátil, que tanto usa na arte mural como em outros suportes, do papel à tela e até à pele.

Das suas diversas participações em exposições e festivais destaquem-se na Rua das Flores na EDP/Porto Lazer, GoodVibes do Porto, Inky Street Art Gallery do Porto, Maia Performance, A Mimosa da Lapa em Lisboa, Smed da Trofa, a Street art AXA, Traços Urbanos na Póvoa de Varzim, ou na Calçada da Glória da Galeria de Arte Urbana- GAU.

O cantor Luís Piçarra, ainda hoje reconhecido por dar a sua voz ao Hino do Sport Lisboa e Benfica, tem desde a publicação do Edital municipal de 15 de dezembro de 2003 o seu nome gravado nas placas toponímicas do Lumiar, por sugestão da Casa do Artista. Este arruamento liga a Rua José Cardoso Pires à Rua Helena Vaz da Silva e significativamente foi inaugurado no Dia Mundial da Música de 2004, junto com mais 6 arruamentos próximos, com nomes de cantores, instrumentistas e maestros – Arminda Correia, Adriana de Vecchi, Tomás Del Negro, Nóbrega e Sousa, Shegundo Galarza e Belo Marques –, que em conjunto com a Alameda da Música permitiu criar um Bairro da Música no Alto do Lumiar através da toponímia.

luis-picarra

Luís Raul Janeiro Caeiro de Aguilar Barbosa Piçarra Valdeterazzo y Ribadenayra (Moura/23.06.1917 – 22.09.1999/Lisboa)  deixou gravadas 999 canções, tendo ele próprio escrito dezenas delas e a sua voz é reconhecida por todos na interpretação do segundo e atual hino do Sport Lisboa e Benfica –  intitulado Ser Benfiquista-, para além de ter sido ele o criador da famosa Granada, que lhe foi oferecida pelo compositor mexicano Agustin Lara.

Filho do produtor de vinho Luís da Costa de Aguilar Barbosa Piçarra e de Luísa Maria Caeiro, frequentou os dois primeiros anos de Arquitetura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa mas interrompeu o curso em 1937 para se dedicar a uma carreira musical. Estudou  canto com Fernando de Almeida e Hermínia de Alargim e estreou-se na ópera O Barbeiro de Sevilha levada a cena na Academia dos Amadores de Música de Lisboa. A partir daqui  fez uma carreira de sucesso, cantando pelo mundo inteiro, com espetáculos no Brasil, Argentina, México, Egito, Chipre, Líbano, Síria, Grécia, Turquia, Itália ou Paris. Refira-se especialmente que foi cantor privativo no palácio do rei Faruk (1947/48), parceiro de Edith Piaf numa série de programas do show This is Europe organizado pela ECA (agência encarregada de aplicar o Plano Marshall), tenor da Orquestra de Paul Durand e membro da digressão ao Brasil de A Rosa Cantadeira, com Amália Rodrigues. Na rádio e televisão francesas ficou conhecido como Lou Pizarra e aí estreou nos anos 50 do séc. XX temas como Avril au PortugalGranada ou Luna Lunera. Na década seguinte também gravou programas para diversas televisões incluindo a NBC norte–americana.

Em Portugal, Luís Piçarra distinguiu-se  como tenor oficial da Emissora Nacional, bem como interpretando ópera, opereta e teatro de revista. No cinema, também cantou pela primeira vez O Meu Alentejo no filme Pão Nosso (1940)  de Armando Miranda. Depois da morte da sua primeira esposa em 1968, Luís Piçarra escolheu viver em Angola até 1975, onde foi diretor do Centro de Preparação de Artistas da Rádio e professor de canto teatral na Academia de Música. Após o regresso a Portugal, publicou  em edição de autor Luís Piçarra instantâneos da minha vida (1987) e em 1996 foi lançada uma compilação de temas seus com GranadaAvril Au PortugalCanção do RibatejoCaminho ErradoAnda CáAninhasBatalhaGuitarra da MourariaMorena da RaiaSanta Maria dos MaresSer Benfiquista e  O Meu Alentejo.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Anúncios

Maria do Carmo Torres e Glam unidas pelo Fado nas ruas do Lumiar

(Foto: © Bruno Cunha, 2019 |DPC |DMC |CML )

Maria do Carmo Torres e Catarina Glam,  são duas mulheres unidas pelo Fado e pelo  Festival de Arte Urbana de Lisboa, no Lumiar. Maria do Carmo Torres, voz fadista perpetuada em topónimo numa rua desta zona e Catarina Glam pela sua intervenção mural  centrada na figura de uma fadista.

Glam é o nome artístico de Catarina Monteiro, nascida em 1985, cuja paixão pelas cores e formas a fez enveredar desde o ano 2000 pelo graffiti e pintura de murais. Esta licenciada em Design de Comunicação  pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa que já participou no MURO’16 também transitou, gradualmente, para a execução de  esculturas em papel e madeira, peças e personagens que desenvolveu para várias entidades e inúmeras exposições e festivais. A sua estética assenta na geometria e no seu interesse pela carpintaria criando assim criar personagens em sólidos geométricos, para além de trabalhar também a  reciclar materiais.

Da sua obra, destaquem- se os seus trabalhos em festivais como o MS Artville de Hamburgo e o Iminente Festival em Lisboa ( ambos em 2017), assim como desde 2015 no Walk&Talk dos Açores,  International From Waste To Art Exhibition de Baku, Ruelles de Lyon, Loures Arte Pública, Sm’arte Festival de Bragança,  UPFest de Bristol,  Tons de Primavera de Viseu, Trashplant Festival e Festival Boreal (ambos em Tenerife), Putrica de Freamunde, Super Bock Super Rock, Poesia na Rua  da Amadora, Festival Pitoresco de Vila Real e o Arte Pública de Leiria. Refiram-se também as suas exposições Silver Kings & Paper Toys (2014) e Glam Baby Show(er) (2016), em Lisboa, bem como a sua participação na Amarte no Mercado do Bairro Alto, Meeting Art [Point] nos Armazéns do Chiado, Garagem – Centro Difusor de Artes na Cervejaria Ramiro, The Exhibitionists na Funarte Gallery, Merc’Art no Timeout Market e no Lx Factory, ou Super Bock Coruja no Timeout Market, para além de fora de Lisboa ter marcado presença na Lá Vai Ela de Mala Posta no Centro Cultural Malaposta, na Movie Posters da Incrível Almadense, na Marias dos Tamancos  de Estarreja, na 100 Dollar Bills Y’all na Circus Gallery do Porto ou na Mar Motto em Sesimbra.

Maria do Carmo Alves Torres foi uma cantadeira de fado nascida na piscatória vila algarvia da Fuzeta (Olhão), no dia 8 de janeiro de um dos primeiros anos do século XX,  que ainda em bebé foi morar para Setúbal e seguiu o percurso de trabalhar numa fábrica de conservas de peixe. Em paralelo, fazia teatro amador e foi assim que aos 19 anos ( supõe-se que seja à roda de 1926) se estreou como intérprete  do garoto das filhoses numa revista de amadores levada à cena no Salão Recreio do Povo, em Setúbal, de onde seguiu para outra revista no Casino de Setúbal, onde imitou o conhecido pescador António Gouga, tendo sido obrigada pelos aplausos a cantar 7 vezes seguidas e daí passou para uma revista no Casino Estoril.

Após o suicídio do seu filho de 16 anos a castiça intérprete acabou por fixar-se em Lisboa, no 2º andar do n.º 119 da Travessa dos Fiéis de Deus. Teve depois uma filha a que chamou Maria Carolina. Na capital, trabalhava como empregada de balcão no Café-Restaurante Sul-América e um dia em que acabou por substituir a cantadeira Maria Virgínia, o diretor Mendes Leal e Alfredo Madeira proporcionaram-lhe a aquisição do carteira profissional e a partir daí, cantou o fado nas esperas de touros do Campo Pequeno, nos teatros e salões de festas dos cinemas, em festas de caridade e nas particulares como as da Condessa de Ficalho, bem como até na então denominada Emissora Nacional. Do seu reportório foram sucessos O SonhoMaria da Graça,  Não Me PersigasMaria da EsperançaCarta em Verso, Fado da Amora, Os beijos são como as rosas e O Que é de Mais Faz Mal, sendo Adriano Reis o seu letrista favorito. A partir de 1934, integrou a Embaixada do Fado, organizada por Maria do Carmo Alta e dirigida por Alberto Reis, que se exibiu no Porto e fez uma digressão pelo Brasil, Argentina e Uruguai, incluindo o guitarrista ArmandinhoBerta Cardoso, Branca Saldanha, Lina Duval, Filipe Pinto, Joaquim Pimentel e Eugénio Salvador, entre outros.

Cantou nas diversas casas especializadas de fado lisboetas como o Retiro da Severa (Rua António Maria Cardoso, n.º 5), o Solar da Alegria (Praça da Alegria, n.º 56, num prédio já desaparecido), o Café Luso (no n.º 27 da Avenida da Liberdade, de onde passou em 01/11/1939 para o n.º 131 da mesma Avenida e ainda mais tarde, para a Travessa da Queimada, n.º 8), o Café Mondego (Rua da Barroca, 124), o Retiro dos Marialvas (Rua da Barroca, 122 a 126), a Adega da Lucília (Rua da Barroca, 54) antes de se chamar O Faia e o Solar do Marceneiro (ao fundo da Calçada de Carriche).

No final de 1944 apadrinhou a estreia artística de Deolinda Rodrigues e cerca de 7 anos depois,  após 1951, de acordo com o estudioso Eduardo Sucena retirou-se do fado, para casa de uma irmã e faleceu nessa mesma década em Leça do Bailio.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

 

 

Maria Alice e Third no Festival de Arte Urbana de Lisboa – MURO’19

(Foto: © Bruno Cunha, 2019 |DPC |DMC |CML )

A Rua Maria Alice tem ao longo de sete prédios, a intervenção de Third no MURO’19 – Festival de Arte Urbana de Lisboa, para narrar em pintura a história de Glória Mendes Leal de Carvalho, a fadista Maria Alice e a primeira a gravar um disco em Portugal, que desde o ano 2000 está perpetuada como topónimo da Freguesia do Lumiar.

Já o artista Third  é Nuno Príncipe Palhas, nascido em Vila Nova de Gaia em 1979, e que cedo revelou uma paixão pela cultura hip hop e a partir de 1996 se dedicou à pintura mural, a par do seu trabalho de designer têxtil para uma marca de streetwear. Expressa-se hoje através da arte urbana e da ilustração, com um estilo reconhecível pelo seu realismo, quer na forte presença dos retratos, como por exemplo a sua Carmen Miranda, quer nas estruturas tridimensionais que cria num hábil jogo de luz e sombra, sejam criaturas fantásticas ou robóticas.

De forma resumida, destaque-se que pintou obras em Águeda com o Colectivo Rua, um dragão para o Estádio do Dragão, participou no Festival de Arte Mural de Cascais, Festival de Murals i Art Rural a Penelles ( Catalunha -Espanha), Festival Sebastianas de Paços de Ferreira, o Míscaros – Festival do Cogumelo (Alcaide – Fundão), o mural inspirado na poesia de José Régio para a GAU na Calçada da Glória (em 2015),  para o Parque do Corgo (Vila Real) ou o Tons da Primavera de Viseu. Ainda recentemente expôs na 60-62 Art Gallery do Porto e ainda este ano vai participar na Exposição CAIS Urbana.

Maria Alice foi o nome artístico de Glória Mendes Leal de Carvalho (Figueira da Foz/01.09.1904 – 13.02.1996/Lisboa), a cantora de voz fina, maviosa e castiça  que foi muito popular na década de 30 do século XX  a ponto de ter gravados vários discos na editora Valentim de Carvalho. Foi também a segunda mulher do editor Valentim de Carvalho que aliás foi quem lhe escolheu o nome artístico, fazendo uso do nome da sua primeira mulher.

Desde os 3 anos de idade que Glória residia em Lisboa e em 1928 estreou-se numa Festa do Fado da Velha Guarda, no retiro Ferro de Engomar, na Estrada de Benfica. Continuou a cantar em Lisboa, em retiros, festas de beneficência, esperas de toiros, bem como integrou duas digressões ao Brasil. Os seus maiores sucessos foram Fado TristePerseguiçãoCrueldadeFado da TraiçãoFado da PerdidaFado-TangoA Voz do PovoA Minha SinaHumildadeVida Triste ou Esse Olhar Dá-me Tristeza. Retirou-se da carreira artística após o seu casamento com Valentim de Carvalho, nos anos quarenta do século XX.

Esta Rua Maria Alice,  que liga a Rua Maria do Carmo Torres à Avenida David Mourão Ferreira, nasceu do Edital municipal de 5 de julho de 2000, ao mesmo tempo que a Rua Maria José da Guia e a Rua Maria do Carmo Torres no Bairro da Cruz Vermelha. Este bairro conhecido popularmente como Bairro das Marias, recebeu mais estes três topónimos marianos, todos de fadistas, todos por sugestão de Appio Sottomayor enquanto membro da Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa. Aliás, a designação popular do Bairro resultava da sua toponímia comportar apenas Marias, fosse através dos nomes próprios das senhoras da Secção Auxiliar Feminina da Cruz Vermelha – de cuja iniciativa foram angariados os fundos que permitiram a construção do Bairro Municipal da Cruz Vermelha-, fosse de jogos de nomes como a Rua das Duas Marias, a Rua das Três Marias, a Rua das Quatro Marias, a Rua das Cinco Marias e o Largo das Seis Marias. Na década de oitenta do séc. XX, foi também atribuída no local a Rua Maria Albertina.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

 

A cantora Maria Albertina e a pantomima gráfica de Pantónio no 3ª Festival de Arte Urbana de Lisboa

Pantónio no MURO’19
(Foto : © CML | DMC | DPC | José Vicente, 2019)

Unidos pelo movimento, o 3º Festival de Arte Urbana de Lisboa, a decorrer desde ontem no Lumiar, integra as presenças da cantora e atriz de revista Maria Albertina, por ser nome de rua local, e Pantónio, o artista do movimento de pantomima gráfica, por executar uma intervenção mural com uma espécie de andorinhas fantásticas nas proximidades da Rua Maria Alice.

Pantónio é o nome artístico de António Correia, natural da Terceira nos Açores, nascido em 1975, que após um percurso bem sucedido em Marketing e Publicidade, decidiu dedicar-se ao que lhe dá mais prazer:  intervir em espaços públicos pela arte, com uma paleta de cores restrita – sobretudo preto, branco e  azul –  e inspirada nas cores da sua ilha natal ( o azul do mar, o branco das nuvens e o preto das rochas vulcânicas), de que resulta uma pantomima gráfica de emoções, uma intensa ideia de constante movimento presente em cada uma das suas obras visuais. As suas obras caracterizam-se por um fluxo de linhas fluídas sugerindo uma grande liberdade de movimentos, semelhantes aos seus gestos quando as pinta a pincel e trincha como se fora um lápis o que usa na mão.

Pantónio já trabalhou em Lisboa, Amadora, Fundão e internacionalmente, nas cidades de Paris,  Averdon, Nantes, Bayonne, Grenoble, Marselha  (todas em França), Pescara (Itália) e Berlim.

Maria Albertina em 1936, por Amarelhe

Maria Albertina, voz do vira e do fado de Lisboa, bem como do elenco de operetas e revistas alfacinhas, ficou como topónimo de uma rua do Bairro da Cruz Vermelha por solicitação do Grupo Folclórico As Tricanas de Ovar, cerca de três meses após o seu falecimento, através do Edital municipal de 25 de junho de 1985, com a legenda «Cantadeira/1909 – 1985».

Maria Albertina Soares de Paiva (Ovar/05.01.1909- 27.03.1985/Lisboa), conhecida pelo nome artístico de Maria Albertina, viveu grande parte da sua vida na capital, onde se estreou em 16 de julho de 1931, no Teatro Maria Vitória, na opereta História do Fado, ao lado de Berta Cardoso. Nos anos trinta conquistou inúmeros prémios como o Guitarra de Ouro (julho de 1932), o prémio Capacete de Ouro (setembro de 1932), venceu o concurso Qual a mais famosa artista do teatro português? (1936) e ganhou o  título de Melhor Cantadeira num concurso da Rádio Luso. Em 1934,  na revista Vista Alegre, com Carlos Ramos fez o célebre quadro «O Fado de Malhoa», a que se seguiram em 1935 os sucessos de Viva a folia!, Bola de neve, O Rapa, Sardinha assada e no ano seguinte, À vara larga, Feira de Agosto, a opereta Coração de Alfama, Há festa na Mouraria, Maria Rita e Água vai em 1937. Em 1941 Maria Albertina entrou na Grande Marcha de Lisboa e a partir da década 60, e durante mais de 20 anos, cantou n’ O Faia, na Rua da Barroca nºs 54-56, no Bairro Alto.

Cantou ainda no Retiro da Severa no Luna Parque, nos teatros Ginásio e Maria Vitória, no Grémio Alentejano e no Maxim’s, no Solar da Alegria e no Salão de Chá do Café Chave d’Ouro, em esperas de touros em Vila Franca de Xira, e também em casas particulares como a da Duquesa de Palmela, do banqueiro Ricardo Espírito Santo e nos palácios do Conde da Torre e de Fontalva, para além de ter participado em digressões pelo Brasil, Argentina, Espanha, E.U.A, Canadá e Paris.

Os seus maiores sucessos musicais foram Voz do Povo,  Meu Filho e Bailarico Saloio e sobretudo, o vira Tricanas de Ovar (1936) de Lopes Costa) criado para o teatro de revista e que em 1966 o locutor Jorge Alves exibiu no programa da RTP Melodias de Sempre. Em 1998, foi editado em CD uma compilação de 16 faixas das suas músicas.

Participou ainda no cinema em A Canção de Lisboa (1933) de Cottinelli Telmo, cantando o fado mouraria Fado dos beijos quentes; em Bocage (1936) para cantar Bailarico Saloio e ainda integrou o elenco de Vendaval Maravilhoso (1949), ambos filmes de Leitão de Barros.

Em nota final, refira-se que Maria Albertina foi mãe do apresentador de rádio e televisão Cândido Mota.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

A Rua José Cardoso Pires e o italiano Peeta no 3º Festival de Arte Urbana de Lisboa – MURO’19

PEETA na Rua José Cardoso Pires
(Foto: © José Vicente, 2019 |DPC |DMC |CML )

A passagem que da Rua José Cardoso Pires dá acesso a um pátio que desemboca na Alameda da Música será o alvo da intervenção artística do italiano Peeta, no âmbito do MURO’19 – 3º Festival de Arte Urbana de Lisboa, mostrando a ilusão de tridimensionalidade que caracteriza a sua obra.

Radicado em Veneza, Peeta é o nome artístico de Manuel Di Rita, pintor e escultor que desde 1993 se dedica à Arte Urbana, usando figuras geométricas e letras para criar estruturas mais complexas num estilo de tridimensionalidade ilusória, revelando a ilusão da percepção humana, a falácia de pontos de vista estreitos, sendo de destacar os trabalhos que já realizou em Itália -Agropoli, Bolonha, Gemona, Milão ou Turim -, Vancouver (Canadá), na Catalunha, em Chicago, Atenas, Bristol (Reino Unido) ou Borås (Suécia). Na escultura, usa o pvc através de um software profissional de design 3D, a fibra de vidro e o bronze como materiais. Na pintura, executa telas em acrílico e óleo, quer com pincéis quer com aerógrafo.

Freguesia do Lumiar – Placa Tipo IV

Desde a publicação do Edital de 18 de novembro de 2003 que José Cardoso Pires, que a si se definia como alfacinha de coração, ficou a ser o topónimo da Rua D da Malha 15 do Alto do Lumiar, a ligar a Avenida Álvaro Cunhal à Avenida David Mourão-Ferreira.

José Augusto Neves Cardoso Pires (Vila do Rei-aldeia de S. João do Peso/02.10.1925 – 08.07.1998/Lisboa), filho de Maria Sofia Cardoso Pires Neves  e de José António das Neves, distinguiu-se nas letras portuguesas quer no jornalismo, quer na dramaturgia, no romance ou no ensaio. Em 50 anos de atividade literária iniciada em 1948 com Caminheiros e outros contos, sobressaem títulos como Histórias de Amor (1952) que foi apreendido pela PIDE, a peça O Render dos Heróis (1960), o ensaio Cartilha do Marialva (1960), a novela O Hóspede de Job (1963) consagrada com o Prémio Camilo Castelo Branco, O Delfim (1968), Dinossauro Excelentíssimo (1972), Balada da Praia dos Cães (1982) que foi Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores,  Alexandra Alpha (1987) que obteve o Prémio Especial da Associação de Críticos de S. Paulo, ou De Profundis, Valsa Lenta (1997) ou o seu póstumo Lavagante (2008).

Cardoso Pires veio morar para Lisboa com poucos meses de idade, para o n.º 7 da Rua Carlos José Barreiros, em Arroios,  e esta foi a sua cidade do coração, a quem dedicou inúmeras páginas e mesmo uma obra inteira – Lisboa, Livro de Bordo (1997)- para além de ter exercido as funções de Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, em 1975. Estudou no Liceu Camões e na Faculdade de Ciências; fundou com Victor Palla a coleção de bolso «Os Livros das Três Abelhas» (1949) bem como dirigiu as Edições Artísticas Fólio (1954); foi professor de Literatura Portuguesa e Brasileira no King’s College da Universidade de Londres (1969 a 1971); foi jornalista no Diário PopularDiário de LisboaO Jornal e nas revistas Eva, Almanaque ou &etc. Viveu Lisboa desde o Café Herminius à Cervejaria Portugália, dos bilhares da Almirante Reis  à casa de jogo clandestina do carvoeiro da Rua José Estêvão, do Café Chiado ao Monte Carlo, do Toni dos Bifes à Pastelaria Joaninha (junto ao Jardim Constantino) ou o bar Procópio, na companhia de tantos como Abelaira, Alexandre O’Neil,  Carlos de Oliveira, CesarinyEduardo Prado Coelho, Gastão da Cruz, Herberto Helder, José Gomes FerreiraLuiz Pacheco,  Manuel da Fonseca, Pedro Oom ou Vespeira.

Democrata empenhado na luta contra a opressão, com Alçada Baptista, Miller Guerra, Lindley Cintra, Joel Serrão, José-Augusto França, Nuno Bragança e Nuno Teotónio Pereira, constituiu em 1966 o núcleo português da Association Internationale pour la Liberté de La Culture e em 1985 foi agraciado com a Ordem da Liberdade, assim como em 1989 com  a Grande Cruz de Mérito Cultural. Na sua vida pessoal, casou em 1954 com a enfermeira Maria Edite Pereira – a quem chamava Esquilo-  de quem teve duas filhas, a Ana e a Rita.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Alameda da Música e MynameisnotSEM unidos pelas paisagens sonoras no Muro’19

A Alameda da Música, nascida para ligar várias artérias de um bairro que a edilidade quis com toponímia ligada à música, o que desde logo ficou expresso no mobiliário urbano do seu Parque Infantil, e o artista MynameisnotSEM, cuja última exposição inspirada em música eletrónica se intitula Soundscapes e que no âmbito da 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa vai realizar workshops de pintura para o moradores e visitantes do MURO’19, são o exemplo da simbiose da comunidade local, toponímia, arte urbana e sonoridades musicais que são o mote do diálogo criativo do MURO deste ano, no Lumiar.

Foto de perfil de mynameisnotsem

O residente em Matosinhos MynameisnotSEM, nascido Filipe Granja no Porto em 1989, é um designer e artista urbano cuja obra se  caracteriza por uma pintura abstrata de mistura de padrões e linhas, em cores contrastantes, num minimalismo contemporâneo inspirado por música eletrónica também contemporânea. Licenciado em Design de Comunicação e Multimédia pela Escola Superior Artística do Porto, onde também concluiu um Mestrado em Design de Imagem, tendo realizado o trabalho de investigação A Street Art como ferramenta da perpetuação da memória coletiva do espaço, realiza visitas guiadas a espaços de arte mural enquanto curador e produtor de eventos de Arte Urbana, produz pinturas murais e quadros originais em diversos suportes, dinamiza o Festival DESENLATA e o mural FLASH, para além de desde 2016 ser o produtor artístico do BECUH Porto – Badass Experiences by Creatives from Urban Habitat.

A Alameda da Música que começa na Avenida Carlos Paredes  e atravessa a Rua Tomás Del Negro e a Rua Luís Piçarra até terminar na Avenida David Mourão-Ferreira foi atribuída através do Edital municipal de 4 de agosto de 2004, no arruamento interior da Malha 15 do Alto do Lumiar, procurando assim a edilidade promover em seu redor um pólo toponímico ligado à música.

Aliás, esta Alameda da Música foi inaugurada no dia Dia Mundial da Música de 2004, com mais outros 7 topónimos de figuras ligadas à música, a saber: a Rua Adriana de Vecchi (Violoncelista/1896 – 1995) dedicada a uma instrumentista e professora de música; a Rua Arminda Correia (Cantora/1903 – 1988) e a Rua Luís Piçarra (Cantor/1917 – 1999) que ali fixaram cantores líricos; a que se juntaram mais 4 compositores, através da Rua Belo Marques (Músico/1898 – 1987), da Rua Nóbrega e Sousa (Músico/1913 – 2001), da Rua Shegundo Galarza (Músico/1924 – 2003) e da Rua Tomás Del Negro (Músico/1850 – 1933).

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Os fantásticos Raúl Nery e El TVfer One no MURO’19

(Foto: © José Vicente, 2019 |DPC |DMC |CML )

O prazer de fazer o que se gosta, quer em fantásticas ilustrações quer num fantástico dedilhar de guitarra, unem Raúl Nery e El TVfer One no MURO’19, 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa, que vai decorrer no Lumiar a partir de quinta-feira, dia 23 e até 26 de maio, unindo a arte urbana à música presente na toponímia local. A Rua Raúl Nery é desde fevereiro do corrente ano o topónimo de uma artéria pedonal próxima da Avenida David Mourão-Ferreira e El TVfer One vai pintar um mural no Edifício Metralha, na Estrada da Torre, na proximidade da mesma Avenida David Mourão-Ferreira.

O setubalense Pedro, de 25 anos, de nome artístico El Tvfer One, é também um ilustrador e tatuador, apaixonado pela vida e pela natureza onde vai buscar a inspiração, com os pormenores de quem está atento ao que o rodeia. As suas criações colocam o foco nos animais, dos ratos aos coelhos, passando pelos cães, assim como dos insetos aos pássaros, em muitas e variadas peças de fruta, em ondas do mar e em órgãos humanos que vão do coração aos olhos e até às caveiras.

Rua Raúl Nery

Já Raúl Nery, engenheiro de profissão mas guitarrista por vocação, desde a publicação do Edital municipal de 15 de Fevereiro de 2019 que é o topónimo do arruamento pedonal do Parque Oeste confinante com a Malha 6 do Projeto de Urbanização do Alto do Lumiar. Raúl Filipe Nery (Lisboa- antiga Freguesia de Santa Engrácia/10.01.1921 – 14.06.2012/Lisboa)  revelou vocação musical desde criança e com apenas 9 anos fez a sua estreia em público, a tocar guitarra, nos retiros de Fado em redor da cidade de Lisboa.

Mais notabilizado por acompanhar a fadista Maria Teresa de Noronha durante 20 anos, Raúl Nery também acompanhou no teatro de revista as vozes de Berta Cardoso, Ercília Costa, Estêvão Amarante ou Hermínia Silva, para além de estar ligado a casas de fado do Bairro Alto como o Café Luso, a Adega Machado ou a Adega Mesquita, nos anos quarenta,  Na década seguinte formou o conjunto de Guitarras Raul Nery, com mais três músicos – o guitarrista José Fontes Rocha, o viola Júlio Gomes e o viola-baixo Joel Pina – quarteto que frequentou bastas vezes os estúdios da Emissora Nacional e acompanhou as deslocações internacionais de nomes como Amália, Maria Teresa de Noronha ou Teresa Tarouca. Em 1958, foi solista em gravações com a Orquestra de George Melachrino em Londres, tendo gravado Uma Casa Portuguesa, Canção do Mar, Mãe Preta, Coimbra, Um Pequeno Café, Fado Obrigado, Rapsódia Portuguesa e Variações em Ré. Também em inúmeras gravações nos legou o seu dedilhar a acompanhar Maria Teresa de Noronha,  Ada de Castro, Adelina Ramos, Amália, António Mourão, Carlos do Carmo, Carlos Ramos, Estela Alves, Fernando Farinha, Frei Hermano da Câmara, João Ferreira Rosa, Lucília do Carmo, Maria da Fé, Teresa Silva Carvalho, Teresa Tarouca, entre outros.

O Quarteto de Guitarras de Raul Nery foi homenageado pela CML no Museu do Fado em 1999 e o próprio Raul Nery foi galardoado Comendador da Ordem de Mérito em 2012.

 

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

MURO’19: A bola de San Spiga a rolar no Grupo Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha ou das Marias

San Spiga, artista argentino focado no futebol e no sorriso, vai fazer rolar as suas tintas para intervir nas paredes exteriores do Grupo Desportivo e Recreativo do Bairro da Cruz Vermelha, junto à extinta Rua das Três Marias, no Bairro também conhecido popularmente como «Bairro das Marias»,  no âmbito do MURO’19, 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa que desta vez junta arte urbana com sonoridades que a toponímia local ligada à música sugere.

San Spiga é o nome artístico de Santiago Spigariol, nascido em 1981 na Argentina. Este artista  multifacetado, adepto do lema «faz-se, aprende-se», é também desenhador gráfico, professor universitário e investigador da Universidade de Buenos Aires, bem como sócio e diretor criativo da empresa The Brandbean. Tem obra pedagógica e de investigação publicada, tendo despendido dois anos em viagem pelas universidade de desenho mais prestigiadas do mundo para entrevistar alunos e docentes orgulhosos da sua vocação.  O mundo visual  de San Spiga, bem humorado e de sorriso desenhado é feito com paixão e essa vocação natural cria a marca da diferença da sua obra. Já esteve em Lisboa a participar no MURO’16.

A Rua das Três Marias em 1970
(Foto: João H. Goulart, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Rua das Três Marias era a Rua 7 do Bairro Municipal da Cruz Vermelha, atribuída pelo Edital municipal de 27 de outubro de 1966, como os restantes topónimos do Bairro da Cruz Vermelha.

Ao contrário do que era hábito na toponímia de Lisboa desde a criação em 1943 da Comissão Municipal de Toponímia, através do Edital de 27 de outubro de 1966 a Câmara Municipal de Lisboa atribuiu aos arruamentos do Bairro da Cruz Vermelha o nome de pessoas ainda vivas: o de seis mulheres da Secção Auxiliar Feminina da Cruz Vermelha que naquela mesma década promoveram uma campanha nacional de angariação de fundos para a construção do Bairro, tendo até perante as câmaras da RTP solicitado um escudo  a cada telespetador – um escudo equivale a cerca de meio cêntimo dos nossos dias -, para se proceder ao realojamento das famílias cujas barracas na Quinta da Feiteira (à Charneca do Lumiar), tinham sido destruídas por um incêndio em 15 de julho de 1963.  As beneméritas ficaram identificadas exclusivamente pelos seus nomes próprios: Rua Maria Carlota (de Maria Carlota Saldanha Pinto Basto), Rua Maria Emília (de Maria Emília Moreira Sena Martins), Rua Maria Helena (de Maria Helena Monteiro de Barros Spínola, mulher de António de Spínola), Rua Maria Margarida (de Maria Margarida Montenegro Fernandes Tomás de Morais, a presidente da Secção Feminina da Cruz Vermelha), Rua Maria Ribeiro (de Maria Ribeiro Espírito Santo Silva de Melo) e Rua Maria Teresa (de Maria Teresa Assis Palha Holstein Beck). Nos restantes arruamentos a edilidade lisboeta fez nascer a Rua das Duas Marias, a Rua das Três Marias, a Rua das Quatro Marias, a Rua das Cinco Marias e o Largo das Seis Marias.

Desta toponímia inicial do Bairro da Cruz Vermelha, popularmente conhecido como das Marias, hoje restam a Rua Maria Carlota e a Rua Maria Margarida. E as outras «Marias» que se juntaram depois: a Rua Maria Albertina (Edital municipal de 25 de junho de 1985) e as Ruas Maria Alice, Maria do Carmo Torres e Maria José da Guia ( Edital municipal de 5 de julho de 2000).

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

A Rua Maria José da Guia, Tamara Alves e Ozearv no MURO’19

A 3ª edição do Festival de Arte Urbana de Lisboa, o MURO’19, na proximidade da Rua Maria José da Guia, junta Tamara Alves e Ozearv numa intervenção artística conjunta no muro do estacionamento, ligando assim a arte urbana à música presente na toponímia local. Tamara Alves & Ozearv realizarão também um workshop no local.

Tamara Alves, nascida em 1983 é uma artista multifacetada que se exprime da pintura à  ilustração, das tatuagens à arte mural urbana, com o denominador comum de uma visão erótica de um corpo contemporâneo com limites expandidos: sem órgãos, uma paixão bruta, um devir animal. Desde o ano 2000 que participa em diversos projetos, exposições individuais e coletivas, afirmando-se como uma das mulheres mais conhecidas da arte urbana.

José Carvalho, nascido em 1980, é o nome civil do artista Ozearv, licenciado em Artes Plásticas pela Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha. Desde 1996 que tem integrado diversos projetos individuais e coletivos, políticos e humanitários, como membro da primeira geração de artistas de arte urbana portugueses. O seu trabalho para a arte mural procura o espaço, o movimento e a cor das cidades e os seus contrastes, através de técnicas que vão do aerosol ao stencil, da ilustração à fotografia, para «preencher o branco que existe no dia-a-dia de cada um de nós». Já em 2017, na 2ª edição do MURO, integrou o «Incursões pela Arte» em que pintou com os alunos da Escola Básica de Marvila.

A Rua Maria José da Guia,  que liga a Rua Pedro Queirós Pereira à Rua Maria Carlota, nasceu do Edital municipal de 5 de julho de 2000, junto com a Rua Maria Alice e a Rua Maria do Carmo Torres no Bairro da Cruz Vermelha. Este bairro conhecido popularmente como Bairro das Marias, recebeu mais estes três topónimos marianos, todos de fadistas, todos por sugestão de Appio Sottomayor enquanto membro da Comissão Municipal de Toponímia de Lisboa.

Maria José da Guia

Maria José dos Santos Guia de Freitas (Angola/16.10. 1929 – 02.09.1992/Espanha) que usou o nome artístico de Maria José da Guia, ficou famosa no Fado na década de quarenta do século XX. Aos quatros anos foi morar para Alfama e aí começou a cantar, tendo  até sido mascote da Marcha de Alfama. A sua carteira profissional data de 1944 e a sua voz sustentava-se num corpo vestido de negro e xaile traçado.

Maria José da Guia cantou em várias casas de fado do Bairro Alto e de Alfama, tendo integrado os elencos do Café Luso, do Retiro da Severa, do Faia ou da Adega Machado. Celebrizou fados como Lisboa Antiga – com letra de José Galhardo e música de Raúl Ferrão -, Casa Portuguesa ( letra de Gustavo de Matos Sequeira e Reinaldo Ferreira com música de Artur Fonseca), Grão de Arroz ( letra e música de Belo Marques), Sempre que Lisboa Canta ( letra de Aníbal Nazaré e música de Carlos Rocha), Bairro Divino (letra e música de Álvaro Duarte Simões), Ciúme duma Verdade (letra de Fernando Peres e música de Jaime Santos, Victor Ramos e Santos Moreira),  Fado da Minha Saudade ( letra de Fernando Peres e música de Francisco José Marques), Um Golpe de Vento (letra de Linhares Barbosa e música de Nuno Meireles) ou o fado Severa ou a Marcha dos Centenários (letra de Norberto de Araújo e música de Raúl Ferrão).

No Fado, Maria José da Guia foi madrinha artística de Ada de Castro mas também passou pela rádio e televisão, assim como participou em várias revistas dos Teatros Maria Vitória, Variedades e ABC, no Parque Mayer, para além de ter cantado no filme O Homem do Dia (1958) de Henrique Campos. Na vida pessoal, Maria José da Guia casou com Amadeu José de Freitas, profissional do relato desportivo nos jornais, na rádio e na televisão, com quem teve dois filhos.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

 

Muzai na Escola Nuno Cordeiro da Avenida David Mourão-Ferreira, no MURO’19

Muzai na Escola Nuno Cordeiro: A Balada de Seu Ciro e Dona Elvira
(Foto: © José Vicente| CML| DPC| 2019

No âmbito do MURO’19 foi Muzai o escolhido para deixar a sua intervenção artística – A Balada de Seu Ciro e Dona Elvira – na empena da Escola Básica Nuno Cordeiro, sediada na Avenida David Mourão-Ferreira, nesta 3ª edição Festival de Arte Urbana de Lisboa em que a arte urbana se une à música e à literatura presente no espaço, quer através da toponímia, quer de concertos e peças artísticas que unem a pintura a sonoridades.

O brasileiro Muzai usa o fio condutor da simplicidade do seu traço e de cores puras, fortes e contrastadas, para produzir arte urbana. Procura uma poética visual de fantasia e sonho, como que resgatando a criança interior do interior do homem. Nascido em Minas Gerais, em 1968, como Fabrício Alves, desde criança que era apaixonado por banda desenhada e licenciou-se pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Uberlândia. Desde 2009 que se tornou o artista Muzai, após ter visitado São Paulo e ter ficado impressionado com o impacto da arte urbana na cidade em contraste com as antigas ruas cinzentas. Começou o seu percurso pela arte urbana mural na sua cidade natal.

David Mourão-Ferreira, escritor romancista, novelista, contista, dramaturgo e poeta que também escreveu para fado, professor universitário de literatura, ensaísta, jornalista e cronista, tradutor e crítico literário é o homenageado nesta longa Avenida onde se encontra a Escola Básica Nuno Cordeiro em cuja empena Muzai pintou a sua obra de caras, guitarra e ternura.

A Avenida David Mourão-Ferreira foi o topónimo dado à Rua 3 da Malha 14,6,1,2 e 3 do Alto do Lumiar através da publicação do Edital municipal de 22 de julho de 2005 e que encontramos desde a rotunda onde confluem a Avenida Carlos Paredes e a Rua General Vasco Gonçalves até ao Eixo Central (no troço entre Rotunda 2 e a Av. Nuno Krus Abecassis). Com a Rua José Cardoso Pires e a Avenida Carlos Paredes define quase um círculo em cujo espaço interior decorre o MURO’19.

O escritor David de Jesus Mourão-Ferreira (Lisboa/24.02.1927-16.06.1996/Lisboa), filho de David Ferreira – secretário do diretor da Biblioteca Nacional – e de Teresa de Jesus Mourão-Ferreira, homem de múltiplas facetas notabilizou-se como poeta do amor e da sensualidade, como uma personalidade que tanto na vida como na escrita celebrou o amor, o erotismo e o corpo em palavras. Nasceu e viveu até aos 15 anos no Bairro da Lapa, frequentou o Colégio Moderno e já nas brincadeiras de infância fazia peças de teatro e jornais que o seu irmão mais novo – Jaime Alberto – ilustrava. Licenciou-se em 1951 em Filologia Românica, na Faculdade de Letras de Lisboa, onde veio a ser professor e catedrático de Teoria da Literatura e Literatura Portuguesa.

Com Alain Oulman, David Mourão-Ferreira levou os seus poemas também para o fado e para a voz de Amália, em que se destacam Barco Negro (1954), Abandono, Solidão,  Espelho Quebrado, Primavera, Anda o Sol na Minha Rua, Nome de Rua ou Maria Lisboa (1961). Depois, também produziu letras para Simone de Oliveira ou Luís Cília, apesar de ter sido alvo de uma campanha de difamação, assim como de um processo judicial por  ter subscrito a apresentação da Antologia da Poesia Portuguesa Erótica e Satírica, organizada por Natália Correia (em 1965), bem como por no ano seguinte ter prefaciado a tradução de A Filosofia da Alcova do Marquês de Sade.

Começou a sua vida literária na poesia com a A Viagem (1950) a que somou, entre outros, Tempestade de Verão (1954) que foi Prémio Delfim Guimarães, Os Quatro Cantos do Tempo (1958), A Arte de Amar (1962), Cancioneiro de Natal (1971) que foi Prémio Nacional de Poesia, Matura Idade (1973), Sonetos do Cativo (1974), Os Ramos e os Remos (1985), No Veio de Cristal (1988) que foi Grande Prémio Inasset de Poesia, Nos Passos de Pessoa (1988) que ganhou o Prémio Jacinto Prado Coelho e a antologia erótica Música de Cama (1994).

São também de destacar as novelas Gaivotas em Terra (1959) que conquistaram o Prémio Ricardo Malheiros e são topónimo de uma artéria do Parque das Nações, a peça O Irmão (1965) que foi Prémio de Teatro da Casa da Imprensa, os contos Os Amantes (1968), As Quatro Estações (1980) galardoada com prémio da Associação Internacional dos Críticos Literários, o romance Um Amor Feliz (1986) – que recebeu o Prémio de Narrativa do Pen Clube Português, o Prémio D. Dinis da Fundação da Casa de Mateus, o Prémio de Ficção Município de Lisboa, o Grande Prémio de Romance da Associação Portuguesa de Escritores e a Medalha Oskar Nobiling da Academia Brasileira de Letras -, Duas Histórias de Lisboa (1987) e o CD Um Monumento de Palavras.

Colaborou também em jornais e revistas, como o Diário Popular ou a revista Seara Nova (onde em 1945 publicara os seus primeiros poemas), para além de ter sido um dos fundadores da revista literária Távola Redonda (1950-1954) que dirigiu com António Manuel Couto Viana e Luís de Macedo. Em 1967, tinha a rubrica «Poesia para Todos» no Diário de Lisboa e após o 25 de Abril dirigiu A Capital e foi diretor-adjunto de O Dia. Na década de sessenta do séc. XX também foi o autor do programa Música e Poesia na Emissora Nacional e de Hospital das Letras e Imagens da Poesia Europeia na RTP, tendo nos anos setenta criado também O Dom de Contar para a televisão.

Desempenhou ainda as funções de Secretário de Estado da Cultura (nos anos de 1976, 1977 e 1979), sendo seu o despacho que criou a Companhia Nacional de Bailado. A partir de 1981 dirigiu o Serviço de Bibliotecas Itinerantes e Fixas da Fundação Calouste Gulbenkian e depois, presidiu à Associação Portuguesa de Escritores (1984 – 1986) e ao Pen Club Português (1991).

© CML | DPC | NT e GAU | 2019