Filinto Elísio

 

Filinto Elísio, pintado por António Nunes Júnior nos Paços do Concelho de Lisboa

O sacerdote Francisco Manuel do Nascimento que enquanto poeta neoclássico usou o pseudónimo de Filinto Elísio, é o topónimo de uma Rua da freguesia de Alcântara desde o final do séc. XIX.

A Rua Filinto Elísio nasceu na Rua nº 2 do Bairro Rolão pela deliberação camarária de 8 de julho de 1892, na presidência do Conde de Ottolini na edilidade lisboeta. E nessa mesma deliberação mais artérias do Bairro Rolão tiveram também topónimos de escritores atribuídos: João de Barros ficou na Rua n.º 1, Soares dos Passos na Rua n.º 4, Bocage nas Ruas n.º 7 e 8 (que é a Rua Amadeu de Sousa Cardoso desde os anos oitenta do séc. XX, pelo Edital municipal de 29/02/1988), Gil Vicente na Rua n.º 9, e o botânico Avelar Brotero ficou na Rua n.º 6 (que é a Rua Pedro Calmon desde os anos oitenta do séc. XX, pelo Edital municipal de 07/09/1987).

Na década de trinta do século XX a Rua Rua A, situada no prolongamento da Rua Filinto Elísio passou também a ser parte integrante da primeira, conforme Edital municipal em 20 de junho de 1938 e este arruamento dedicado ao poeta arcádico, com dimensão aumentada passou assim a ligar a Rua da Indústria à Rua Soares de Passos.

O homenageado Filinto Elísio é Francisco Manuel do Nascimento (Lisboa/23.12.1734 – 25.02.1819/Paris) de seu nome. Nasceu na freguesia de São Julião, como filho de um casal de Ílhavo, um fragateiro e uma peixeira, que sempre viveram com João Manuel, um Mestre das Fragatas Reais e depois, Patrão-mor da Ribeira das Naus, que Filinto sempre considerou seu pai.

Francisco Manuel do Nascimento tornou-se sacerdote ordenado em 1754 e o Filinto Elísio poeta arcádico. Quando Leonor de Almeida Portugal, a futura Marquesa de Alorna, estava presa no Mosteiro de São Félix, em Chelas, com a sua irmã Maria, antes da Viradeira, ele começou a ser visita do local e também como era moda na época começou a cortejar uma das reclusas, Maria, a quem deu o nome árcade Daphne e à sua irmã, Leonor, o de Alcípe. Leonor retribuiu-lhe esse gesto dando-lhe o nome de Filinto Elísio, para substituir o pseudónimo de Niceno que usara até então no círculo poético do Grupo da Ribeira das Naus.

Este poeta neoclássico compôs odes, epístolas, epigramas e sátiras, tendo as suas poesias sido publicadas ainda em vida, em Paris, em 11 volumes, entre 1817 e 1819, mas só após a sua morte foram editadas em Lisboa as suas Obras Completas, num total de 22 tomos, entre 1836 e 1840, sendo a sua obra considerada precursora do Romantismo. Também os seus restos mortais foram transladados do Père Lachaise para o claustro da Sé de Lisboa em 1843, e mais tarde, para o cemitério do Alto de São João.

Refira-se que a partir de 1778 se refugiou em França, com Avelar Brotero, e foi lá que acabou por falecer, tendo nesses 41 anos conhecido o poeta Lamartine, que até lhe dedicou um poema. As suas ideias enciclopedistas e liberais levaram a que fosse denunciado à Inquisição em 22 de junho de 1778, por leituras heréticas proibidas e afirmações blasfemas, o que somado a uma forte amizade que o ligava a Félix da Silva de Avelar tornou-os a ambos suspeitos para o Santo Ofício, pelo que exilaram em Paris. E para sobreviver na capital francesa fez trabalhos de tradução: Os Mártires de Chateaubriand, As Fábulas de La Fontaine, Púnica de Sílio Itálico e o Elogio do Doutor António Nunes Ribeiro Sanches de M. Vicq-d’Azyr para português e verteu as Cartas de Mariana Alcoforado para francês como Lettres Portugaises de Mariana Alcoforado. A ida para França de Filinto Elísio permitiu-lhe contactar com personalidades relevantes da cultura francesa o que foi decisivo para a obra e para a sua defesa dos ideais enciclopedistas e iluministas e, também, das revoluções francesa e americana.

Filinto Elísio está também como topónimo nos concelhos de Ílhavo, Almada, Barreiro, Caldas da Rainha, Gondomar, Odivelas, Oeiras, assim como Francisco Manuel do Nascimento surge em dois topónimos da Charneca da Caparica, no concelho de Almada.

© CML | DPC | NT | 2019

Anúncios

Poeta Bocage

Litogravura de Bocage
(Foto: José Leitão Bárcia © CML | DPC | Arquivo Municipal de Lisboa)

Manuel Maria Barbosa du Bocage, conhecido pelo seu espírito irónico e satírico, tem na sua relação com a toponímia de Lisboa também uma histórica algo jocosa que o fez migrar de Alcântara para a zona de Carnide-Lumiar.

Em 8 de julho de 1892 a Câmara Municipal de Lisboa deliberou na sua sessão de câmara a atribuição do topónimo Rua Bocage às Ruas nºs 7 e 8 do Bairro do Casal do Rolão. Na mesma deliberação e no mesmo bairro de Alcântara decidiram também fixar Gil Vicente (na Rua nº 9) e Filinto Elísio (Rua nº 2 ). Todavia, no final dos anos 80 supôs-se que a Rua Bocage e a Avenida Barbosa du Bocage, dedicada a um primo em segundo grau do poeta sadino, se referiam à mesma pessoa e resolveu-se eliminar do mapa alfacinha a Rua Bocage transformando-a pelo Edital de 29/02/1988 em Rua Amadeu de Sousa Cardoso.

E assim ficou Lisboa sem o seu Bocage mais de 8 anos, até o Edital de 24/09/1996 o recolocar no Impasse FG da Quinta dos Inglesinhos, à Avenida das Nações Unidas, desta feita para evitar equívocos e, por proposta de Appio Sottomayor na Comissão Municipal de Toponímia, como Rua Poeta Bocage/1765 – 1805.

Manuel Maria Barbosa du Bocage (Setúbal/15.09.1765 – 21.12.1805/Lisboa), «Magro, de olhos azuis, carão moreno», também conhecido como Elmano Sadino da Nova Arcádia (Academia literária fundada em 1790), viveu em Goa, Damão e Macau, até regressar a Lisboa em 1790, frequentar o Café Nicola no Rossio da cidade e, viver a partir de 1801 no n.º 25 da Travessa André Valente, ao Bairro Alto.

Bocage publicou apenas os três volumes das suas Rimas, de 1791 a 1804, embora os seus versos eróticos e burlescos tenham circulado abundantemente em edições clandestinas. As suas temáticas predominantes fixaram-se na desilusão amorosa e nas dificuldades materiais e pode Bocage ser considerado o maior poeta português do séc. XVIII.

Não é também menor a sua obra como tradutor, mesmo que menos conhecida. As suas versões de textos clássicos latinos, de autores como Virgílio e Ovídio, caracterizam-se por rigor e originalidade, o que também sucedeu nas suas traduções da língua francesa de escritores da época, como Voltaire, La Fontaine, Lesage, Florian, Lacroix, d’Arnaud, Delille e Castel.

Em 7 de agosto de 1797, o Intendente Pina Manique mandou-o prendê-lo por desrespeito ao rei e à Igreja, primeiro no Limoeiro (até 14 de novembro), depois nos calabouços da Inquisição no Rossio e a partir de 17 de fevereiro de 1798 no Real Hospício das Necessidades, a cargo dos Oratorianos, de onde só saiu em liberdade no último dia desse ano.

Autor unanimemente considerado como um vulto maior do arcadismo em Portugal, a produção literária de Bocage foi influenciada pelos ideais Iluministas, sobretudo de influência francesa, com os quais tomou contacto quando, com 18 anos, chegou a Lisboa. Integrou, assim, o Arcadismo, escola literária que reagiu aos excessos estilísticos e ao virtuosismo do barroco, trazendo novos temas (mais simples e acessíveis), redigidos numa linguagem mais clara e significativa, adequada ao público leitor a que se pretende dirigir, nomeadamente à burguesia urbana. Tal como em outros domínios, também a literatura foi permeável às “Luzes” e, influenciada pela razão, pela experiência e pelo espírito científico, contribuiu para perspectivar uma nova visão do mundo.

© CML | DPC | NT | 2019

Cavaleiro de Oliveira

Resultado de imagem para Memórias das viagens de Francisco Xavier de Oliveira (1741)

Francisco de Oliveira, conhecido como Cavaleiro de Oliveira, funcionário da Coroa no século XVIII e escritor proibido pela Inquisição, é desde a publicação do Edital municipal de 17 de outubro de 1924 o topónimo de uma Rua de Arroios que hoje une a Rua Morais Soares à Praça Olegário Mariano.

Note-se que já Camilo o pretendera biografar mas foi na primeira metade do séc. XX que a sua biografia foi publicada por Jordão de Freitas, Aquilino Ribeiro e o Prof. Gonçalves Rodrigues, com acesas polémicas nessa época.

Francisco Xavier de Oliveira (Lisboa/21.05.1702 – 18.10.1783/Hackey – Inglaterra), filho de José de Oliveira e Sousa e de Isabel da Silva Neves, ficou conhecido como Cavaleiro de Oliveira por tradução de Chevalier d’Oliveira, nome que ele a si próprio atribuiu depois de ter sido feito Cavaleiro da Ordem de Cristo, em 11 de dezembro de 1729. O seu pai fora Contador dos Contos do Reino e Secretário em embaixadas, como a de Utreque e de Viena, o que facilitou que fosse admitido como funcionário do Tribunal dos Contos do Reino, na qualidade de Oficial, aos 14 anos. Como a sua família, Francisco Xavier de Oliveira era bastante considerado em Lisboa. Em 25 de fevereiro de 1730 casou com Ana Inês de Almeida.

Em 1734 foi destacado para substituir o seu pai que falecera, como Secretário da Embaixada Portuguesa em Viena. Contudo, desde o início o embaixador Conde de Tarouca não o apreciou e fez antes seu Secretário um arquiteto milanês, dispensando-o oficialmente uns três anos depois, em 1737. No ano seguinte, em 26 de junho de 1738 casou em Viena com Maria Eufrosina de Puechberg Enzing. Passou seis anos a tentar exercer a função de secretário da embaixada portuguesa e reclamou mas nunca foi empossado, por razões nunca expostas.

Em 1740, arruinado, partiu para a Holanda, onde começou a publicar, em francês, assumindo-se como escritor sem mecenas: Memoires de Portugal (1741), Memórias das viagens de Francisco Xavier de Oliveira (1741), 3 tomos de Cartas Familiares, Históricas, Políticas e Críticas: Discursos Sérios e Jocosos (1741- 1742), e Viagem à ilha do amor escripta a Philandro (1744) que é comum aceitar-se como uma tradução livre de uma obra de 1664, anónima mas atribuída ao abade Paul Tallemant.

Em 1744 fixou residência de exilado em Londres e um pouco antes, o Inquisidor Frei Manuel do Rosário proibiu a entrada de todos os seus livros em Portugal. O embaixador português em Londres, o futuro Marquês de Pombal, também não simpatizou com ele e o Cavaleiro de Oliveira fez amizade com um pastor anglicano que lhe permitiu sobreviver economicamente. Casou numa igreja anglicana em 1 de fevereiro de 1746, com Françoise Hammon, de origem luterana, e abjurou da fé católica em junho de 1746. Pouco depois do nascimento de uma filha, foi preso por dívidas e cumprida a pena (21 meses e dez dias) passou a receber uma pensão do Príncipe de Gales.

Em 1751 publicou Amusement Périodique, traduzido em 1922 por Aquilino Ribeiro como Recreação Periódica, no qual traçou um conjunto de traços anedóticos sobre a corte portuguesa de D. João V e fez proposições heréticas para a Fé católica e a Inquisição. Após o Terramoto de 1755 defendeu que foi um castigo divino em Discours pathétique au sujet des calamités présentes arrivées en Portugal. Adressé à mes compatriotes et en particulier a Sa Majesté Très-Fidèle Joseph I, Roi de Portugal (1756), obra com tradução inglesa no mesmo ano e a proibição de leitura e circulação pelo Santo Ofício – por denúncia do dr. Joaquim Pereira da Silva Leal, membro da Academia Real da História – que acabou por se estender a todas as suas obras. O Cavaleiro de Oliveira, dito herege, foi condenado a ser queimado em estátua, no mesmo auto da fé de 20 de setembro de 1761 em Lisboa, em que o padre Gabriel Malagrida padeceu a horrível morte pela fogueira. No ano seguinte respondeu com Le Chevalier d’Oliveyra brulé en effigie comme hérétique. Comment et Pourquoi? Anecdotes et Réflexions sur ce Sujet, données au Public par lui-même. Já em 1757 havia respondido com Suite du Discours Pathétique: ou Réponse aux Objections et aux Murmures que cet Ecrit s’est attiré à Lisbonne. Adressée aux Portugais par le Chevalier d’Olyveira, Auteur du Discours qu’il défend. Em 1767, usando um anagrama dele próprio dá a lume Reflexões de Félix Vieyra Corvina de Arcos, Cristão Velho Ulissiponense, com uma forte crítica à Inquisição, a práticas da Igreja e em defesa da liberdade de consciência.

Muito se falou também da sua vida galante, tanto mais que ele próprio se vangloriou nos seus escritos do seu amor por uma freira de Santa Mónica, uma cigana e uma judia que chegou a ser presa pela Inquisição.

© CML | DPC | NT | 2019

José Anastácio da Cunha

José Anastácio da Cunha (Lisboa, 11/05/1744-Lisboa, 01/01/1787), foi militar, matemático e poeta. Fez a sua formação académica em Lisboa, no Convento de Nossa Senhora das Necessidades que pertencia à Congregação do Oratório, onde, até aos 19 anos, aprendeu Gramática, Retórica e Lógica, desenvolvendo como autodidata o seu gosto pela Física e Matemática.

A sua nomeação como Tenente do Regimento de Artilharia do Porto (1764) levou-o a desenvolver outras áreas de interesse, dedicando-se ao estudo da História, das Línguas (latim, grego, inglês, francês e italiano) e das Belas Artes, o que em parte ficou a dever-se ao seu convívio com oficiais protestantes ingleses. Cruzando os seus conhecimentos com a atividade militar, em 1769, redigiu a Carta Fisico-Mathematica sobre a Theoria da Polvora em geral e a determinação do melhor comprimento das peças em particular (editada em 1838, no Porto), na qual eram identificados erros em trabalhos anteriores sobre artilharia.

No âmbito da reforma da Universidade empreendida pelo Marquês de Pombal, em 1773, Anastácio da Cunha foi nomeado professor de geometria da Faculdade de Matemática da Universidade de Coimbra, sendo-lhe concedido o título de doutor. Porém, cerca de cinco anos depois, com a subida ao trono de D. Maria I e com a alteração do contexto político que deu origem ao período conhecido como “Viradeira”, foi denunciado à Inquisição (1778), sendo acusado de ler autores que defendiam ideais iluministas (como Rousseau, Voltaire e Hobbes) e de exercer uma influência nefasta junto dos seus alunos através da apologia do racionalismo e da liberdade de consciência.

No final do processo, Anastácio da Cunha foi condenado a três anos de reclusão na Casa das Necessidades da Congregação do Oratório e a quatro anos de degredo em Évora, tendo sido afastado dos seus cargos universitários e confiscados os seus títulos e bens. Nos finais de 1780, foi aceite pela Inquisição o seu pedido de perdão. Porém, eram já muitas as dificuldades económicas, a par da sua perda de prestígio social. Neste difícil período da sua vida foi apoiado pelo Intendente Pina Manique que nomeou Anastácio da Cunha como professor de Matemática, na recém-criada Casa Pia (1781).

Anastácio da Cunha traduziu para português obras de autores como Voltaire, Pope, Rousseau e Holbach publicadas ainda durante a sua vida, mas as suas obras científicas e poéticas só foram editadas postumamente. Entre as primeiras, refiram-se: Principios mathematicos para instrucção dos alunos do Colegio de S. Lucas da Real Casa Pia do Castello de S. Jorge (terminada em 1786; publicada em 1790, em Lisboa), considerada a sua obra mais importante pela reformulação da Geometria de Euclides e que foi traduzida para francês (publicada em 1811, em Bordéus); e, Ensaio sobre os Principios de Mechanica que deu um contributo decisivo para o desenvolvimento das ciências físico-matemáticas (publicado em 1807, em Londres).

A sua obra poética, considerada como precursora do romantismo, só deu à estampa em 1839, por iniciativa de Inocêncio da Silva, com o título Composições poéticas do Doutor José Anastácio da Cunha, cujos exemplares foram depois apreendidos e apenas reeditados em 1930.

Foram necessários mais de dois séculos após a sua morte para que fosse reconhecida a importância e valor de José Anastácio da Cunha como matemático e como poeta que, partilhando os princípios da Europa das Luzes, defendia um ensino voltado para a experiência, aliando a teoria à prática e às demonstrações, aspetos que, entre os anteriormente referidos, o levariam a ser condenado pela Inquisição.

Em Lisboa, foram também necessários 202 anos após a sua morte, para que através do Edital municipal de 28 de dezembro de 1989 se tornasse o topónimo da Rua Dois do Bairro do Alto da Serafina, como Rua Anastácio da Cunha. No ano seguinte, num processo de remodelação da toponímia do Bairro da Serafina a pedido dos seus moradores, passou a Rua José Anastácio da Cunha, pelo Edital municipal de 14 de dezembro de 1990 e assim continua.

 

© CML | DPC | NT | 2019

Franklin

Benjamin Franklin
(Imagem de domínio público)

A Rua Franklim estava identificada como Rua nº 1 do Bairro América, urbanização então de construção recente na Quinta das Marcelinas à Rua do Vale de Santo António, quando a deliberação camarária em 25 de novembro de 1918 decidiu atribuir-lhe um topónimo referente a uma personalidade americana e ficando a ligar a Rua Fernão de Magalhães à Rua dos Cortes Reais, embora o Edital só tenha sido publicado 6 anos depois, em 17 de outubro de 1924.

Bairro América passou a conter os seguintes topónimos: «Que se denomine Bairro America, o bairro em construção na Quinta das Marcelinas na rua do Vale de Santo Antonio e que os respectivos arruamentos tenham as designações seguintes: o nº 1, rua Franklin; o nº 2, rua Washington [o primeiro presidente dos Estados Unidos da América]; o nº3, rua Ruy Barbosa [político e jornalista brasileiro que defendia o princípio da igualdade das nações]; o nº 4, rua Bolivar [Simon Bolívar que combateu o domínio espanhol na América do Sul, comandando as revoluções que promoveram a independência da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia]; a nº 5, rua do Costa Reais [refere-se à Rua dos Cortes Reais, família de navegadores portugueses que empreenderam navegações para o continente americano]; o nº 6, rua Fernão de Magalhães  [o primeiro navegador a fazer uma viagem de circum-navegação], e o nº7, rua Alvaro Fagundes [navegador português do século XVI que explorou a costa austral da Terra Nova]. Deliberação camararia de 25 de Novembro de 1918». Acrescente-se que os arruamentos Rua Bolivar e Rua Álvaro Fagundes nunca tiveram execução prática, embora, em 1971, o nome de Álvaro Fagundes tenha regressado para a toponímia lisboeta para dar nome à Rua C, à Rua General Justiniano Padrel.

Estadista, cientista e escritor norte-americano Benjamim Franklin (Boston/17.01.1706 – 17.04.1790/Filadélfia), lutou contra a escravatura e fez mesmo o Memorial para a sua abolição enquanto Presidente da Sociedade Pensilvaniana para além do seu papel preponderante na independência dos Estados Unidos da América. Franklin foi o porta-voz dos colonos junto dos ingleses; integrou a Comissão redatorial da Declaração da Independência; foi membro da Convenção para redigir a Constituição Nacional (1787); e assinou com a Grã-Bretanha o Tratado de Versalhes que reconhecia a independência das 13 colónias norte-americanas.

Benjamim Franklin foi ainda um cientista: demonstrou a identidade do raio e da electricidade e inventou o «para-raios», para além de ter sido compositor gráfico, publicado jornais (The New-England Courant), ter sido escritor (Poor Richard’s Almanac)  e o 1º representante do realismo norte-americano (O Sermão do pai Abraão).

Através da observação sistemática e da experimentação, após ter escrito sobre terramotos (1737), Franklin deu particular impulso às áreas da eletricidade e da meteorologia. No âmbito da primeira alcançou várias descobertas, nomeadamente, a existência de cargas positiva e negativa, demonstrou que os raios são um fenómeno de natureza elétrica, inventou o «para-raios», pesquisou sobre eletricidade estática, sendo também responsável pela criação de termos técnicos que são ainda utilizados, como «bateria» e «condensador». No domínio da meteorologia, abriu caminho a grandes avanços posteriores ao contribuir, através da observação, para a interpretação do desenvolvimento dos diferentes fenómenos atmosféricos no planeta terra, defendendo a teoria de que o movimento do tempo atmosférico depende das diferenças de pressão, facto que é considerado por muitos como a base da moderna meteorologia.

A sua intensa atividade em todos estes domínios foi influenciada pelo pensamento liberal e humanista e pelos debates científicos e políticos que então decorriam na Europa, para onde viajava com frequência, já anunciadores do princípio do primado da razão defendida pelo Iluminismo desde os finais do século XVII. Assim, B. Franklin, tal como Thomas Jefferson (1743-1826), estão entre as personalidades mais influentes e decisivas para o surgimento e afirmação do Iluminismo americano.

 

© CML | DPC | NT | 2019

A Rua de Alexandre Herculano em Alcântara

Alexandre Herculano na Revista Contemporanea de Portugal e Brazil, abril de 1859

A artéria que hoje identificamos como Rua Fradesso da Silveira foi no período de 18 de janeiro de 1878 a 31 de dezembro de 1888 a Rua de Alexandre Herculano.

Esta atribuição foi do Governo Civil de Lisboa «Atendendo ao pedido da Câmara Municipal do Concelho de Belém, em homenagem à memória do prestante cidadão que foi o primeiro presidente daquele município, para que seja denominado ‘Rua de Alexandre Herculano’ o prolongamento do novo atêrro marginal do Tejo, desde a ponte sôbre a Ribeira de Alcântara até ao Largo das Fontainhas», sendo assim definida a Rua de Alexandre Herculano  desde a ponte da Ribeira de Alcântara até ao Largo das Fontaínhas.

Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo (Lisboa/28.03.1810 – 13.09.1877/Vale de Lobos) que foi o primeiro Presidente da Câmara Municipal de Belém – em 1854 e 1855-, teve o seu nome atribuído pela 1ª vez como topónimo em Lisboa cerca de 4 meses após a sua morte, por Edital do Governo Civil de Lisboa de 18 de janeiro de 1878,  pertencendo então ao concelho de Belém. Contudo, 9 anos depois, o Edital municipal de 10 de janeiro de 1888, alterou o topónimo para Rua Fradesso da Silveira, e ainda hoje se mantêm assim na Freguesia de Alcântara. Assim, se evitou a confusão de duas ruas com o mesmo nome no concelho de Lisboa já que esta Rua de Alexandre Herculano desde 1885 pertencia ao concelho de Lisboa e uma deliberação da Câmara Municipal de Lisboa de 6 de maio de 1882 atribuíra o topónimo Rua Alexandre Herculano à artéria perpendicular à Avenida da Liberdade dirigida para o Largo do Rato, ao mesmo tempo que também instituía nesta zona a Rua Castilho, a Rua Barata Salgueiro, a Rua Mouzinho da Silveira, a Rua Passos Manuel (depois Rua Rosa Araújo pelo Edital de 19/04/1887) e a Praça do Marquês de Pombal.

Em 1954, a Rua Fradesso da Silveira que havia sido a Rua de Alexandre Herculano (Foto: Judah Benoliel © CML | DPC | Arquivo Municipal de Lisboa)

 

© CML | DPC | NT | 2019

 

A Praça de Luís de Camões de 1860

A Praça de Luís de Camões antes de 1893
(Foto: Francesco Rocchini, © CML | DPC | Arquivo Municipal de Lisboa )

A Praça de Luís de Camões nasceu por força do Edital do Governo Civil de Lisboa de 12 de outubro de 1860, no espaço formado pela demolição dos prédios e ruínas compreendidas entre o Largo das Duas Igrejas (hoje Largo do Chiado), Rua Larga de São Roque (hoje Rua da Misericórdia), Rua do Loreto, Travessa dos Gatos e Rua da Horta Seca, apontando esse Edital as seguintes razões da atribuição:

«Existindo o projecto de se erigir n’esta cidade um monumento á memoria de Luiz de Camões, que atteste o reconhecimento da nação ao cantor immortal dos feitos gloriosos dos portuguezes; e havendo a commissão central promotora da subscripção para esta obra patriotica, em requerimento que me dirigiu, manifestado o desejo de que ao largo já destinado para n’elle se elevar o projectado monumento se dê uma denominação indicativa de tão nobre objecto; accedendo a este louvavel pensamento, e depois de ouvir a Camara Municipal de Lisboa, que com elle se conformou; (…)»

De acordo com o olisipógrafo Norberto de Araújo, esta artéria foi ganhando a sua configuração entre 1859 e 1863, com a execução da terraplanagem, do empedrado e do erguer do monumento que nela foi inaugurado em 9 de outubro de 1867, da autoria do escultor Vítor Bastos. O modelo em gesso fora aprovado em 1860 por D. Pedro V e o lançamento da 1ª pedra ocorreu em 28 de junho de 1862. Mais tarde, no âmbito das comemorações do 3º Centenário da morte de Luís Vaz de Camões, a 10 de junho de 1880, foi na Praça de Luís de Camões que desfilou o grande cortejo cívico do Centenário do poeta.

Freguesia da Misericórdia

© CML | DPC | NT | 2019

José Régio e o Sanatório da Alameda das Linhas de Torres Vedras

Em 1961
(Foto: Artur João Goulart, Arquivo Municipal de Lisboa)

Em novembro de 1966 José Régio ficou internado em Lisboa no antigo Sanatório do Lumiar, na Alameda das Linhas de Torres, diagnosticado com uma afeção pulmonar. Aí permaneceu cerca de quatro meses tendo regressado a Vila do Conde em março de 1967.

Esse tempo de internamento, conforme relatou em carta a Adolfo Casais Monteiro, em 11 de Julho de 1968, virou-o mais para o desenho do que para a escrita: « Durante esses meses, quase não consegui escrever nada. […] Quando digo que nada, então me vinha para o papel não estou a ser exacto: vinham-me desenhos, a que chamava então os meus poemas. »

Sito na então Alameda do Lumiar, o Sanatório do Lumiar ou Hospital de Repouso de Lisboa foi inaugurado em fevereiro de 1910, no espaço de uma quinta, recebendo a denominação D. Carlos I. Em 1926, o Sanatório Popular D. Carlos I tinha 64 camas. Nele trabalhou muitos anos o médico e escritor Prista Monteiro. Em 1932, a  lotação aumentou para 182 camas, com o acrescento de dois pavilhões, um financiado pelo casal Lambert de Morais e outro graças a um grupo de senhoras que promoveu festas e peditórios para conseguir o montante necessário. Em 1975, o então denominado Centro Sanatorial do Lumiar passou pelo Decreto-Lei 260/75 a ser o Hospital  Central de Pulido Valente e e hoje está integrado no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte.

Por deliberação camarária de 3 de agosto e consequente Edital municipal de 7 de agosto de 1911,  a Alameda do Lumiar passou a denominar-se Alameda das Linhas de Torres, no âmbito do centenário das  Linhas de Torres Vedras, construídas em 1810, para defender militarmente Lisboa das invasões francesas.

Esta artéria de saída de Lisboa para norte, fazia a  ligação com a Estrada para Torres Vedras pelo que foi a escolha para homenagear os combatentes das Linhas de Torres Vedras e, tanto mais que o mesmo Edital de 1911 também homenageou Neves Costa, engenheiro militar que participou no estudo dessas mesmas Linhas militares.

As Linhas de Torres Vedras ou simplesmente Linhas de Torres  integram o conjunto de fortificações da península de Lisboa que no contexto da Guerra Peninsular foram concebidas para impedir um exército invasor de atingir a capital ou, em caso de derrota, permitir a retirada, em segurança, do Exército Britânico.

A ordem para a sua construção foi dada em outubro de 1809,  por Arthur Wellesley, então comandante do exército anglo-luso e o oficial do exército de Wellington responsável pelos trabalhos de engenharia era o Coronel Richard Fletcher. Já em 1807, Junot encarregara o coronel de engenharia Vincent de estudar a defesa de Lisboa e, na execução dessa tarefa esteve o major de engenharia José Maria das Neves Costa e,  após a expulsão das tropas francesas foram feitas diligências pelas autoridades portuguesas no sentido de fazer o levantamento topográfico que servisse de base aos trabalhos da defesa de Lisboa, comissão em que esteve novamente Neves Costa, que já em 1801 publicara Observações sobre o plano de ataque e defesa do reino de Portugal em relação à sua Geografia e topografia.

Na Terceira Invasão Francesa foram as Linhas de Torres Vedras que impediram o exército de Massena de atingir Lisboa e acabaram por provocar a sua retirada de Portugal.

Desenho de José Régio realizado no decorrer do internamento
(Imagem: © CER)

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

José Régio e Vergilio Ferreira em Avenidas lisboetas

Vergílio Ferreira (ao centro) com Régio e o irmão Júlio, em Portalegre
(Foto: © CER)

Ambos escritores, ambos ensaístas, ambos professores do ensino liceal, estão  José Régio e Vergílio Ferreira de igual modo consagrados em Lisboa em Avenidas, dois homens que esgrimiram argumentos numa recíproca admiração e longa amizade que os ligava.

Em 1965, ano em que Régio foi um dos duzentos subscritores de uma declaração de solidariedade com a Direção da Sociedade Portuguesa de Escritores e o Júri do Grande Prémio que o atribuiu a Luandino Vieira, Vergílio Ferreira declarou «Régio é hoje o maior de todos nós» e em 1969, redigiu o artigo Na morte de Régio, mais tarde inserido no Espaço do Invisível II (1991).

Freguesia de Marvila

Quinze anos mais novo que José Régio, Vergílio António Ferreira (Gouveia – Melo/28.01.1916 – 01.03.1996/Lisboa) nasceu às 15 horas de uma sexta-feira, filho de António Augusto Ferreira e Josefa Ferreira, que emigraram deixando-o ao cuidado das tias. Já a Avenida lisboeta que homenageia o autor de Aparição resultou da aprovação por unanimidade em sessão de Câmara, cinco dias após o seu falecimento, de uma proposta de atribuição do seu nome a uma artéria da cidade, o que se concretizou através do Edital municipal de 24 de setembro de 1996 na Rua M 3 do Bairro do Armador, na freguesia de Marvila.

Vergílio Ferreira defendeu que «Toda a biografia é uma rede de sinais que apontam o vazio do que jamais poderemos saber. Mas é nesse vazio que falta que está a razão do que chegou até nós» e assim narramos que o seu primeiro romance se intitulava O caminho fica longe (1939), a que se seguiram Onde Tudo Foi Morrendo (1944) e Vagão J (1946). Em 1949, foi a vez do romance Mudança que faz a passagem do neorrealismo para o existencialismo. E a partir daí construiu uma obra literária onde pontuam romances, contos, diarística e ensaios, a interrogar o mistério da existência, o destino da humanidade, o lugar do Homem no Mundo, o absurdo da vida e da morte, a solidão e os problemas da condição humana, de que se salientam Manhã Submersa (1954), Aparição(1959), Cântico Final (1960), Alegria Breve (1965) Nítido Nulo (1971), Signo Sinal (1979), Para Sempre (1983), Uma Esplanada sobre o Mar (1987), Até ao Fim (1987), Em Nome da Terra (1990) ou Na Tua Face (1993).

Algumas das suas obras serviram de argumento para filmes como o de Manuel Guimarães a partir de Cântico Final (1974) ou  o de António Macedo a partir do conto «Encontro» (1978), bem como também o fez  Lauro António com a Manhã Submersa (1979), com o conto «Mãe Genoveva» (1983) para uma série da RTP, e ainda com as curtas Prefácio a Vergílio Ferreira (1975) e Vergílio Ferreira Numa Manhã Submersa (1979).

Licenciado em Filologia Clássica desde 1940, Vergílio Ferreira foi também o ensaísta que publicou Sobre o Humorismo de Eça de Queirós (1943), Da Fenomenologia a Sartre (1963) ou os 5 volumes Espaço do Invisível (1965, 1976,1977, 1987, 1998), para além de ter sido professor de Português e de Latim do ensino secundário em Faro, Bragança, Évora, Gouveia e, finalmente, a partir de 1959, no alfacinha Liceu Camões, tendo desde então fixado residência nesta cidade, no Bairro de Alvalade, com a sua mulher Regina Kasprzykowsky, professora polaca que se encontrava refugiada em Portugal da Guerra, com quem casara em 1946.

Vergílio Ferreira foi galardoado com o Prémio Camilo Castelo Branco (1960) por Aparição, o Prémio da Casa da Imprensa (1965) por Alegria Breve, a comenda de Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada (1979), o Prémio D. Dinis da Casa de Mateus (1981), o Prémio PEN Clube (1983) por Para Sempre bem como do Município de Lisboa, o Prémio do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários pelo conjunto da sua obra (1985), o Prémio da Associação Portuguesa de Escritores (1987) por Até ao Fim, o francês Prémio Femina (1990) por Manhã Submersa,  o Prémio Europália (1991) pelo conjunto da sua obra, o Prémio Camões (1992), o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (1994) por Na Tua Face, para além de ter sido eleito para a Academia Brasileira de Letras (1984) e para a Academia de Ciências de Lisboa (1992) e dar o seu nome à Biblioteca de Gouveia e aos Prémios Literários da Câmara Municipal de Gouveia e da Universidade de Évora.

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de 

José Régio e a Rua António Botto

Estudo de José Régio sobre a obra de António Botto, publicado em 1938

José Régio saudou a edição de Ciúme de António Botto em artigo publicado no Diário de Lisboa de 21 de julho de 1934 e quatro anos mais tarde publicaria um ensaio sobre este escritor intitulado António Botto e o Amor, significativamente dedicado a Fernando Pessoa que foi o primeiro a descobrir aquele poeta e a mostrar a sua originalidade poética.

Em Lisboa, António Botto só será fixado na toponímia da cidade 42 anos após o seu falecimento, por Edital de 29 de agosto de 1991, na Rua C da Urbanização do Alto do Chapeleiro, quando foram dados nomes aos arruamentos desta urbanização.

António Botto em O Domingo Ilustrado, 30 de agosto de 1925

António Tomás Botto (Abrantes/17.08.1897 – 16.03.1959/Rio de Janeiro) distinguiu-se como poeta, a partir da publicação de Canções, em 1921. Desde 1908 que António Botto vivia em Lisboa com a família, no bairro de Alfama, razão para um poema seu estar afixado junto à Fonte do Poeta na Rua da Judiaria, no qual se pode ler «esta fonte que fala na surdina de qualquer coisa que eu não sei ouvir».

Botto começou por trabalhar em algumas livrarias e desde os tempos da Orpheu que participava em tertúlias da capital onde Pessoa circulava e avançou para o mundo da literatura, com as coletâneas poéticas Trovas (1917), Cantigas de Saudade (1918), Cantares (1919), Canções do Sul (1920) embora seja Canções, de 1921, a sua obra mais polémica pelo carácter abertamente homossexual e que também o tornou mais conhecido, com várias edições revistas e acrescentadas pelo autor entre 1921 e 1932. Fernando Pessoa gostou desta obra e até publicou a 2ª edição na sua efémera editora Olisipo, para além de a ter traduzido para inglês em 1930.

Entretanto, Botto conseguiu trabalho como funcionário público e começou por ser colocado em Angola em 1924, para regressar no ano seguinte para exercer funções no Governo Civil de Lisboa, de onde transitará em 1937 para o Arquivo Geral de Registo Criminal e Policial, do qual será demitido, conforme o Diário do Governo de 9 de novembro de 1942, de acordo com um conceito de «falta de idoneidade moral». Contudo, entre 1923 e 1959, Botto publicou  13 livros de poesia como Motivos de Beleza (1923), Dandismo (1928), Ciúme (1934), Fátima – Poema do Mundo (1955) e Ainda Não se Escreveu (1959). Além da poesia, António Botto produziu também ficção, em obras como António (1933), Isto Sucedeu Assim (1940), Ele Que Diga se Eu Minto (1945),  assim como literatura infantil em Os Contos de António Botto (1942) e a peça de teatro Alfama (1933), a que acresce ter colaborado com Fernando Pessoa numa Antologia de Poemas Portugueses Modernos.

Emigrou para o Brasil em agosto de 1947, com a sua mulher de sempre Carminda Silva, depois de realizar vários recitais de poesia em Lisboa e no Porto para angariar o dinheiro necessário para a viagem. Nesse país, sobreviveu escrevendo artigos e colunas em jornais portugueses e brasileiros, participando em programas de rádio e organizando récitas de poesia até que em 4 de março de 1959 foi atropelado por um automóvel do governo quando atravessava a Avenida Copacabana (no Rio de Janeiro), em consequência do qual acabou por falecer alguns dias mais tarde.

Na sua vida pessoal, apesar de assumido homossexual, Botto foi casado com Carminda Rodrigues até ao final da sua vida e escreveu « O casamento convém a todo o homem belo e decadente».

Em 29 de outubro de 1965 os seus restos mortais foram trasladados para Lisboa por via aérea, mas só em 11 de novembro de 1966 foram depositados no Cemitério do Alto de São João, cerimónia a que assistiram  José Régio, Ferreira de CastroDavid Mourão-Ferreira, Luís Amaro e Natália Correia, entre outros, encontrando-se no jazigo 1285.

Freguesia de Santa Clara

© CML | DPC | NT | 2019

com o apoio de