A Rua José Cardoso Pires e o italiano Peeta no 3º Festival de Arte Urbana de Lisboa – MURO’19

PEETA na Rua José Cardoso Pires
(Foto: © José Vicente, 2019 |DPC |DMC |CML )

A passagem que da Rua José Cardoso Pires dá acesso a um pátio que desemboca na Alameda da Música será o alvo da intervenção artística do italiano Peeta, no âmbito do MURO’19 – 3º Festival de Arte Urbana de Lisboa, mostrando a ilusão de tridimensionalidade que caracteriza a sua obra.

Radicado em Veneza, Peeta é o nome artístico de Manuel Di Rita, pintor e escultor que desde 1993 se dedica à Arte Urbana, usando figuras geométricas e letras para criar estruturas mais complexas num estilo de tridimensionalidade ilusória, revelando a ilusão da percepção humana, a falácia de pontos de vista estreitos, sendo de destacar os trabalhos que já realizou em Itália -Agropoli, Bolonha, Gemona, Milão ou Turim -, Vancouver (Canadá), na Catalunha, em Chicago, Atenas, Bristol (Reino Unido) ou Borås (Suécia). Na escultura, usa o pvc através de um software profissional de design 3D, a fibra de vidro e o bronze como materiais. Na pintura, executa telas em acrílico e óleo, quer com pincéis quer com aerógrafo.

Freguesia do Lumiar – Placa Tipo IV

Desde a publicação do Edital de 18 de novembro de 2003 que José Cardoso Pires, que a si se definia como alfacinha de coração, ficou a ser o topónimo da Rua D da Malha 15 do Alto do Lumiar, a ligar a Avenida Álvaro Cunhal à Avenida David Mourão-Ferreira.

José Augusto Neves Cardoso Pires (Vila do Rei-aldeia de S. João do Peso/02.10.1925 – 08.07.1998/Lisboa), filho de Maria Sofia Cardoso Pires Neves  e de José António das Neves, distinguiu-se nas letras portuguesas quer no jornalismo, quer na dramaturgia, no romance ou no ensaio. Em 50 anos de atividade literária iniciada em 1948 com Caminheiros e outros contos, sobressaem títulos como Histórias de Amor (1952) que foi apreendido pela PIDE, a peça O Render dos Heróis (1960), o ensaio Cartilha do Marialva (1960), a novela O Hóspede de Job (1963) consagrada com o Prémio Camilo Castelo Branco, O Delfim (1968), Dinossauro Excelentíssimo (1972), Balada da Praia dos Cães (1982) que foi Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores,  Alexandra Alpha (1987) que obteve o Prémio Especial da Associação de Críticos de S. Paulo, ou De Profundis, Valsa Lenta (1997) ou o seu póstumo Lavagante (2008).

Cardoso Pires veio morar para Lisboa com poucos meses de idade, para o n.º 7 da Rua Carlos José Barreiros, em Arroios,  e esta foi a sua cidade do coração, a quem dedicou inúmeras páginas e mesmo uma obra inteira – Lisboa, Livro de Bordo (1997)- para além de ter exercido as funções de Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa, em 1975. Estudou no Liceu Camões e na Faculdade de Ciências; fundou com Victor Palla a coleção de bolso «Os Livros das Três Abelhas» (1949) bem como dirigiu as Edições Artísticas Fólio (1954); foi professor de Literatura Portuguesa e Brasileira no King’s College da Universidade de Londres (1969 a 1971); foi jornalista no Diário PopularDiário de LisboaO Jornal e nas revistas Eva, Almanaque ou &etc. Viveu Lisboa desde o Café Herminius à Cervejaria Portugália, dos bilhares da Almirante Reis  à casa de jogo clandestina do carvoeiro da Rua José Estêvão, do Café Chiado ao Monte Carlo, do Toni dos Bifes à Pastelaria Joaninha (junto ao Jardim Constantino) ou o bar Procópio, na companhia de tantos como Abelaira, Alexandre O’Neil,  Carlos de Oliveira, CesarinyEduardo Prado Coelho, Gastão da Cruz, Herberto Helder, José Gomes FerreiraLuiz Pacheco,  Manuel da Fonseca, Pedro Oom ou Vespeira.

Democrata empenhado na luta contra a opressão, com Alçada Baptista, Miller Guerra, Lindley Cintra, Joel Serrão, José-Augusto França, Nuno Bragança e Nuno Teotónio Pereira, constituiu em 1966 o núcleo português da Association Internationale pour la Liberté de La Culture e em 1985 foi agraciado com a Ordem da Liberdade, assim como em 1989 com  a Grande Cruz de Mérito Cultural. Na sua vida pessoal, casou em 1954 com a enfermeira Maria Edite Pereira – a quem chamava Esquilo-  de quem teve duas filhas, a Ana e a Rita.

© CML | DPC | NT e GAU | 2019

Anúncios

A 1ª senha do 25 de Abril, os Emissores Associados de Lisboa e a Avenida Elias Garcia

Emissora escolhida pelo MFA para transmitir a primeira senha para o arranque da operação militar contra o regime. Assim, às 22H55 do dia 24 de abril, o jornalista João Paulo Diniz pôs no ar a canção “E Depois do Adeus”, interpretada por Paulo de Carvalho.

No 7º andar do nº 162 da  Avenida Elias Garcia estavam sediados os estúdios dos  Emissores Associados de Lisboa, os escolhidos pelo MFA para, através de João Paulo Diniz, transmitir a primeira senha para o arranque da operação militar contra o regime. E assim, às 22:55 do dia 24 de abril de 1974, ele anunciou aos microfones da estação «Faltam cinco minutos para as vinte e três horas. Convosco, Paulo de Carvalho com “E Depois do Adeus”», a senha que servia de sinal para as unidades preparem a saída dos quartéis.

A artéria que homenageia o republicano José Elias Garcia foi um topónimo atribuído pelo primeiro Edital de toponímia após a proclamação da República, de 5 de novembro de 1910, que incluiu mais 9 topónimos como a Avenida da República e a Avenida Cinco de Outubro, assim outras figuras republicanas, como o Almirante Cândido dos Reis e Miguel Bombarda.

José Elias Garcia (Almada-Cacilhas/31.12.1830 –  21.06.1891/Lisboa), militar e político republicano, desempenhou na edilidade alfacinha  as funções de vereador com o pelouro de instrução pública (entre 1873-1875 e 1878-1881), tendo criado as bibliotecas populares e as escolas centrais, bem como instituído o ensino da ginástica, do desenho de ornato e do canto coral, tendo também sido o 25º Presidente da Câmara Municipal de Lisboa ( de 2 de janeiro a 18 de agosto de 1878).

Coronel de engenharia exerceu também como professor de Mecânica Aplicada na Escola do Exército (a partir de 1857), tendo também fundado diversos jornais republicanos – O Trabalho (1854), O Futuro (1858-1862), A Política Liberal (1862)- e sido o redator principal do Jornal de Lisboa (1865) e do Democracia (1873), para além de ter presidido à Assembleia dos Jornalistas e Escritores Portugueses.

Elias Garcia, a partir do célebre grupo do Pátio do Salema (Clube dos Lunáticos), fundou em 1868 o Partido Reformista, de onde veio a resultar o Centro Republicano Democrático Português (1876) e o Partido Republicano e nessa qualidade foi deputado, eleito pela primeira vez em 1870 por Lisboa, sendo depois também eleito pelo Partido Republicano em 1882-1884, 1884-1887 e 1887-1889 e 1890.  Entre 1883 e 1891 presidiu ao Diretório do Partido Republicano.

Paralelamente, como Irmão Péricles na Maçonaria Portuguesa desde 1853, foi o 1.º e único Grão-Mestre  da Federação Maçónica (1863 a 1869),  Grão-Mestre interino do Grande Oriente Lusitano Unido (1884 a 1886), Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano Unido (1887 a 1889) e assim, o seu túmulo no Cemitério do Alto de São João, construído em 1893-1894 pelo Grande Oriente Lusitano em terreno cedido pela CML, ostenta um obelisco encimado por uma estrela de cinco raios.

© CML | DPC | NT e GEO – Gabinete de Estudos Olisiponenses | 2019

Rua Jaime Lopes Dias

Jaime Lopes Dias em 1949 (ao centro)
(Foto: Firmino Marques da Costa, Arquivo Municipal de Lisboa)

Rua Jaime Lopes Dias, topónimo atribuído por Edital de 3 de outubro de 1991 a um arruamento da freguesia do Lumiar

Jaime dos Santos Lopes Dias (1890-1977), funcionário público e da Câmara Municipal de Lisboa, jurista, jornalista e etnógrafo. Fez parte de dezenas de associações, nacionais e estrangeiras, entre as quais a Academia das Ciências de Lisboa, a Associação dos Arqueólogos Portugueses, o Instituto de Coimbra, a Sociedade de Geografia de Lisboa, Société de Etnologie Française, e Asociación de los Amigos del Arte (Argentina). Natural do Vale da Senhora da Póvoa, concelho de Penamacor, estudou em Castelo Branco e Coimbra, licenciando-se em Direito na Universidade desta cidade em 1912. Desde a licenciatura até 1936 desempenhou vários cargos em Penamacor, Idanha a Nova e Castelo Branco: oficial do Registo Civil, Administrador de Concelho, Vereador (em Idanha a Nova), Juiz, Secretário Geral do Governo Civil do Distrito de Castelo Branco. Em 1936 veio para Lisboa como adjunto do Director Geral da Administração Política e Civil do Ministério do Interior, ministério onde se manteve até 1938, ano em que foi nomeado Director dos Serviços Centrais e Culturais da Câmara Municipal de Lisboa.

Ao longo da vida, foi autor de centenas de títulos e colaborador em publicações periódicas como, por exemplo, o Diário de Notícias, O Século, Diário de Coimbra, Panorama, Terras Portuguesas. Fundou os jornais Povo de Idanha (1914) e A província (1921) e dirigiu o Boletim da Casa das Beiras, a Revista das beiras e a Revista Municipal da Câmara Municipal de Lisboa. Escreveu obras sobre matérias de Direito, nomeadamente a edição revista e anotada do Código de Direito Administrativo de 31 de Dezembro de 1936. Mas o seu grande interesse foi a etnografia, principalmente a da sua terra natal. Editou, em 11 volumes, Etnografia da Beira (1926-1971), ainda hoje obra de referência sobre os usos e costumes desta região portuguesa. Publicou ainda Pelourinhos e forcas no Distrito de Castelo Branco (1935), A Beira Baixa, seu folclore, sua história e suas riquezas (1936), Cortiças da Beira Baixa (1947), ou A Beira Baixa e o seu teatro popular na obra de Gil Vicente (1959), entre tantos outros. Manteve sempre a ligação às origens, desempenhando cargos na Santa Casa da Misericórdia de Idanha a Nova, batendo-se pela construção da barragem do rio Ponsul ou pela criação de uma linha férrea que servisse a vila. Legou a sua biblioteca à Câmara Municipal de Castelo Branco, o que se veio a concretizar já depois da sua morte. Presentemente a Biblioteca desta cidade tem o nome de Jaime Lopes Dias.

Fez parte da Associação dos Jardins-Escolas João de Deus, tendo sido presidente da Assembleia Geral e tendo colaborado com João de Deus Ramos na obra O Livro de Capa Verde: selecta para a gente moça (1948).

Quando passou a residir em Lisboa, Lopes Dias começou igualmente a escrever sobre aspectos da vida lisboeta, dentro da sua linha de investigador etnográfico. Trouxe a lume Festas e divertimentos da cidade de Lisboa: da Independência à Restauração (1940), Grades de Lisboa (1947), Uma tradição lisboeta que revive: os tronos a Santo António (1949), Natal Português (1957). Publicou ainda um útil estudo O brasão de armas da cidade de Lisboa (1943) três anos após a fixação desta insígnia pela Comissão de Heráldica da Associação de Arqueólogos Portugueses. Nesse mesmo ano publicou O Museu da Cidade de Lisboa e em 1953 Vinte e Cinco anos da vida de uma capital. Colaborou na obra Lisboa Oito séculos de História, com o capítulo “Lisboa de hoje. A cidade de amanhã”.

Foi membro da Comissão Municipal de Toponímia desde a sua criação em 1943, juntamente com Pastor de Macedo e Augusto Vieira da Silva, até 1960.

© CML | DPC | Gabinete de Estudos Olisiponenses | 2019

Rua Luís Pastor de Macedo

Luís Pastor de Macedo em 1940, discursando nas comemorações do centenário do nascimento de Júlio de Castilho
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

Rua Luís Pastor de Macedo, topónimo atribuído a um arruamento da freguesia do Lumiar por Edital de 1 de Fevereiro de 1972

Luís Pastor de Macedo (1901- 1971), comerciante, autarca, deputado e olisipógrafo. Começou a sua vida profissional no estabelecimento comercial da família, A Casa dos Panos, estabelecimento da Rua dos Fanqueiros que fechou portas já no início do século XXI. Publicou a sua primeira obra olisipográfica O Terramoto de 1755 na freguesia da Madalena em 1929 a que se seguiram algumas dezenas de títulos, alguns dos quais sobre as freguesias da Baixa e da sua envolvente. Colaborou com vários outros autores, nomeadamente com Augusto Vieira da Silva, Gustavo de Matos Sequeira, Norberto de Araújo, Rodrigues Cavalheiro. Colaborou ainda no Diário de Lisboa, n’O Século, na Revista Municipal, nos Anais das Bibliotecas, Arquivo e Museus Municipais, ambos da Câmara Municipal de Lisboa e no Boletim Cultural da Junta Distrital de Lisboa.

A par da sua actividade de comerciante e de olisipógrafo, Luís Pastor de Macedo integrou como vogal a Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Lisboa, entre 1933 e 1935, voltando à autarquia em 1947, como vice-presidente, cargo que manteve até 1959. Na sua actuação enquanto autarca, destaca-se em 1933 a aprovação da sua proposta de criação dos Serviços Culturais, apresentada em Sessão de 11 de Maio. Nos dois períodos em que esteve na Câmara dedicou particular atenção às questões culturais, à realização das festas da cidade e à organização de várias exposições de carácter olisiponense. Foi ainda de sua iniciativa o impulso dado às publicações da autarquia a qual viria a ser a editora de alguns dos seus títulos, bem como de outros olisipógrafos.

A sua dedicação ao conhecimento da Cidade levou-o a ser um dos fundadores do Grupo Amigos de Lisboa, constituído em 1936, e onde desempenhou o cargo de secretário-geral do Grupo, participou activamente nos trabalhos das várias secções que o Grupo então tinha, propôs e promoveu diversas iniciativas para a defesa do património da Cidade e para o conhecimento da sua história e foi um colaborador assíduo da revista Olisipo. Mas a obra pela qual é mais conhecido do grande público é a que se ocupa do estudo da Toponímia de Lisboa – Lisboa de lés-a-lés. Subsídios para o estudo das vias públicas da cidade, publicada pela primeira vez entre 1940 e 1943, e reeditada nos anos sessenta e oitenta do século XX. Organizado em cinco volumes e ordenado alfabeticamente, Lisboa de lés-a-lés procura dar a conhecer a origem de topónimos lisboetas, no seguimento da publicação da obra de Gomes de Brito Ruas de Lisboa.

“Foi da sua leitura, da verificação de que mais alguma coisa haveria a dizer de parte das artérias ali tratadas (…) que nasceu a ideia de a ampliar e aperfeiçoar tanto quanto possível”, nas palavras de Macedo.

O tipo de informação recolhida para os arruamentos varia em quantidade, mas também em qualidade: explicação para o nome, antigo traçado do arruamento, transcrições de outras obras relacionadas com o assunto, referências a moradores e ao comércio local, a ofícios e profissões arruados nesse arruamento, etc. Enfim, todo um conjunto variado de informações úteis a quem se interessa por conhecer a vida da/na cidade, complementando e aprofundando a obra de Brito, ao mesmo tempo que introduz novos topónimos e novas explicações.

Porém, mais ricos do que o livro Lisboa de lés-a-lés são os ficheiros contendo os verbetes que Pastor de Macedo reuniu ao longo da sua vida em número superior a 100 000, que Rodrigues Cavalheiro descreve como “ficheiro portentosamente especializado que, durante meio século, foi pacientemente recolhido, em leituras exaustivas e em investigações pertinazes”, e que se encontra disponível para consulta no Gabinete de Estudos Olisiponenses.

Já perto do fim da vida, em data que desconhecemos, Pastor de Macedo entregou a Ferreira de Andrade os seus ficheiros para que este autor pudesse dar à estampa o projectado Dicionário de Lisboa. Em Agosto de 1970 saía a público o primeiro fascículo do intitulado Grande Dicionário de Lisboa da autoria de Ferreira de Andrade, com prefácio de Rodrigues Cavalheiro e ilustrações de José de Lemos (Lisboa: Olisipo – Ed. De Pub. Turísticas, 1970), que se encontra na Biblioteca Nacional, com 32 páginas a 2 colunas, o qual não passou do termo Académica.

Mas Ferreira de Andrade viria a falecer em Outubro de 1970 e na sequência desta morte, Luís Pastor de Macedo legou à Câmara Municipal de Lisboa os referidos ficheiros. Em sessão de 17 e 28 de Dezembro de 1970, a Câmara deliberou aceitar em legado a ”grande colecção de verbetes elaborados e organizados por aquele olisipógrafo, que representa o produto de trinta anos de trabalho.”, legado que seria destinado ao Gabinete de Estudos Olisiponenses “por constituir um precioso elemento de consulta para os investigadores e estudiosos.”

© CML | DPC | Gabinete de Estudos Olisiponenses | 2019

A Rua do comerciante e vereador lisboeta Sebastião Saraiva Lima

Freguesia da Penha de França
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Vinte e quatro anos após o falecimento de Sebastião Saraiva Lima, republicano com um importante papel no associativismo dos comerciantes lisboetas, ficou este perpetuado na Rua particular municipalizada a Manuel Joaquim Saraiva no Bairro do Poço dos Mouros junto com o seu prolongamento no Bairro municipalizado a Joaquim Rodrigues Gadanho «até ao seu terço», graças à deliberação da Comissão Executiva da CML de 31 de outubro de 1917, a partir da proposta do vereador Abílio Trovisqueira que justificou a atribuição do topónimo «como prova de gratidão pelos serviços prestados por este ilustre republicano», de que publicou o consequente Edital municipal, de 12 de novembro de 1917, que lhe fixou a legenda «Propagandista dos Princípios Associativos/1857 – 1893».

Na sessão de câmara de 1 de novembro de 1917, o Vereador Feliciano de Sousa aplaudiu a resolução da Comissão Executiva « que com Leão de Oliveira, Magalhães Lima e outros vultos do partido republicano fizeram, em tempos idos, parte da minoria republicana na Camara Municipal de Lisboa. Enaltece depois os serviços prestados á Republica e á cidade por aquele prestante cidadão que a morte arrebatara do convivio dos que muito lhe queriam.»

Freguesia da Penha de França – Placa Tipo II
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

Sebastião Correia Saraiva Lima (Águeda-Mourisca do Vouga/28.12.1857 – 11.06.1893/Lisboa), falecido aos 36 anos, era um comerciante republicano que foi Presidente da Associação de Lojistas de Lisboa em 1888, para além de outros cargos dirigentes que nessa mesma associação exerceu em outros anos. A Associação Comercial de Lojistas de Lisboa fora fundada em 1 de janeiro de 1870, na Rua do Norte nº 145 – 1º e vinte anos depois, quando estava sediada no Palácio Bessone na Rua do Ferragial de Cima, em 1890, Saraiva Lima foi um dos principais impulsionadores do boicote aos produtos britânicos com que o comércio de Lisboa participou no movimento nacional de protesto contra o Ultimato Inglês. Já o Diário Ilustrado de 31 de dezembro de 1897 noticiou a sessão solene de inauguração do seu retrato na Associação de Lojistas de Lisboa, no decorrer da qual uma carta de Manuel Gomes Duarte sugeriu que se pedisse à CML a atribuição do seu nome ao Largo da Abegoaria (é o Largo Rafael Bordalo Pinheiro desde 11 de fevereiro de 1915).

Sebastião Saraiva Lima também assumiu, por duas vezes, as funções de vereador na Câmara Municipal de Lisboa. A primeira foi em 1890, graças aos votos do Partido Republicano Português no qual militava e também aos votos de inúmeros comerciantes que o admiravam e assim ficou na companhia dos vereadores republicanos Teófilo Braga e Elias Garcia. Esta vereação terminou dissolvida mas após várias Comissões Administrativas, Sebastião Saraiva Lima foi novamente eleito para os anos de 1892 e 1893, junto com Leão de Oliveira, outro republicano.

O seu nome está também presente na toponímia do seu concelho natal: em Águeda, na Trofa.

Freguesia da Penha de França
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Rua do arquiteto Adães Bermudes, vereador da CML em 1918 e 1919

Freguesia de Marvila
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

O arquiteto portuense Adães Bermudes, foi também vereador da Câmara Municipal de Lisboa em 1918 e 1919, tendo sido perpetuado como topónimo de uma rua de Marvila em 1978, com mais onze arquitetos.

Republicano assumido e membro da Maçonaria, Adães Bermudes foi vereador da Comissão Administrativa da CML de 15 de março de 1918 a 21 de  fevereiro de 1919, a que sucedeu à presidida pelo também republicano José Carlos da Maia, que saiu para ser ministro da Marinha de Sidónio Pais em março de 1918 e fez com que pedisse a exoneração dos vereadores republicanos Matias Ferreira de Mira, Raul de Almeida Carmo, António Ferreira e António do Couto Abreu, tendo sido então designados em 15 de março de 1918, para os mesmos cargos, o presidente da Sociedade de Ciências Médicas Zeferino Falcão para Presidente da edilidade, o tenente-coronel de engenharia José Tavares de Araújo e Castro, o advogado Carlos Barbosa e Adães Bermudes, a quem coube o Pelouro da Arquitetura e a 4ª Repartição. Nesta Comissão Administrativa serviu como presidente de 10 de maio  até 4 de julho de 1918, a partir do que será presidente  José Tavares de Araújo e Castro, bem como nos impedimentos deste, tendo assim assinado como vogal-presidente os Editais que permitiram à Companhia de Carris de Ferro de Lisboa aumentar os preços das tarifas das carreiras durante os dias da semana excepto ao domingo, durante 3 meses, bem como aumentar a lotação em 50%, assim como o que determinou iguais condições para a  Nova Companhia dos Ascensores Mecânicos de Lisboa (23 de maio de 1918); o dos termos da cobrança dos impostos municipais a partir de 15 de julho para os relativos ao 2º semestre de 1918,  (1 de junho de 1918); a atribuição da Rua da Paz e outras desanexações e integrações toponímias na Ajuda ( 11 de novembro de 1918).

O Occidente, 20 de maio de 1913

Arnaldo Redondo Adães Bermudes (Santo Ildefonso – Porto/29.09.1863 – 18.02.1947/Paiões- Rio de Mouro) foi um arquiteto formado pela Academia Portuense de Belas Artes (entre 1880 e 1886), Escola de Belas-Artes de Lisboa e pela École des Beaux-Arts de Paris. Destacou-se como um expoente do movimento da Arte Nova e criou em 1898 um modelo de escola que foi difundido em todo o país e identificado como Escola Adães Bermudes. Traçou o Bairro de casas económicas do Arco do Cego, em 1897,  de acordo com o conceito cidade-jardim. Como arquiteto já antes lhe dedicámos um artigo mas sintetizamos agora que a sua obra em Lisboa soma um edifício Arte Nova concebido em 1908 para a Avenida Almirante Reis (na época, era a Avenida Dona Amélia) que foi distinguido com o Prémio Valmor; o restauro do Mosteiro dos Jerónimos, do Museu Nacional de Arte Antiga e do Museu Nacional de Belas Artes; o mausoléu dos benfeitores da Santa Casa da Misericórdia  no Cemitério do Alto de São João (1908); o Instituto Superior de Agronomia (1910); a Escola Normal Primária de Lisboa (1913), em Benfica;  e o Monumento ao Marquês de Pombal (1914), em equipa com Francisco Santos e António do Couto.

O Edital de 10 de agosto de 1978, proposto pela primeira Comissão Municipal de Toponímia que integrou um arquiteto – o  arqº Frederico George -, procurou criar pela toponímia um «bairro de arquitetos», até aí quase ausentes da toponímia lisboeta. A Adães Bermudes coube a  a Rua 14 da Zona N 2 de Chelas e os outros onze escolhidos foram Adelino Nunes (ruas 2 e 3), Álvaro Machado (arruamento de ligação entre a via envolvente e a rua 6), Cassiano Branco (ruas 4 e 5), Domingos Parente (rua 13), José Luís Monteiro (ruas 11B e 12), Keil do Amaral (ruas 1, 6 e 7), Luís Cristino da Silva (via comercial), Miguel Nogueira Júnior(rua 11), Norte Júnior (ruas 8 e 11A), Pardal Monteiro (via envolvente) e Pedro José Pezerat (rua 10).

Adães Bermudes foi pai do arquiteto Jorge Bermudes, irmão mais velho de Félix Bermudes e assim, também tio de Cesina Bermudes.

Está também presente na toponímia de Rio de Mouro (no concelho de Sintra), localidade onde faleceu e foi sepultado.

Freguesia de Marvila
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

A Rua do Presidente da CML em 1918, José Carlos da Maia

Freguesia de Campo de Ourique
(Foto: José Carlos Batista)

José Carlos da Maia foi Presidente da Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Lisboa,  de 14 de janeiro até 1 de março de 1918,  já que foi nomeado ministro da Marinha de Sidónio Pais a 9 de março, e tendo sido um dos assassinados na Noite Sangrenta de 19 de outubro de 1921 foi  fixado na memória de Lisboa mais de dez anos depois, em Campo de Ourique, através da Rua Carlos da Maia, por via do Edital municipal de 12 de março de 1932.

Conforme o procedimento da época, Carlos da Maia foi nomeado Presidente da Comissão Administrativa da CML pelo Governador Civil de Lisboa, por indicação do Ministro do Interior, então Machado Santos. Ficou responsável pelos Pelouros da Secretaria e Bibliotecas. De acordo com a sua proposta, os outros vogais desse executivo ficaram com as seguintes competências: Álvaro Valadas, professor da Escola Comercial Ferreira Borges, com o pelouro das Águas; o Arqº António do Couto Abreu com o pelouro da Arquitetura; o farmacêutico António Ferreira com os  Jardins e Cemitérios; o professor e advogado António Lino Neto com as Subsistências; o comerciante António Maria Abrantes com a Limpeza e Regas; o industrial Franklin Lamas com a Viação; o Engº Frederico Santos Taveira com os Incêndios; João Pereira da Rosa com o Pelouro da Iluminação; o médico e antigo deputado José da Costa Júnior com os Matadouros; o médico Matias Ferreira de Mira com o Pelouro da Instrução; o comerciante e proprietário Santos Rebelo com o Pelouro das Ruas; o advogado Raul de Almeida Carmo com o Contencioso; o antigo operário Sebastião Eugénio com os Mercados e Lavadouros e o «comercialista» Vladimiro Contreiras com o Pelouro da Contabilidade.

Nesses quase de dois meses, foi proposta de José Carlos Maia a receção nos Paços do Concelho ao Presidente da República – Sidónio Pais – no seu regresso à capital em 18 de janeiro de 1918, com dispensa de ponto para o pessoal ir assistir à chegada na Estação do Rossio; a constituição de uma Comissão para dar pareceres sobre a higiene e estética da capital e uma outra,  também composta por  vereadores, para auditar os serviços da CML e dar pareceres de melhoria.

Na presidência de Carlos da Maia e com o seu voto favorável, entre outras deliberações, os Vogais da Comissão Administrativa passaram a não ser beneficiados pela distribuição dos 100 passes que a Carris tinha acordado com a edilidade; o indeferimento do aumento das tarifas da Carris em 40%; o encerramento das janelas dos carros eléctricos de 1 de novembro a 1 de março; a manutenção do  preço da carne de carneiro nos talhos municipais; o cultivo dos terrenos incultos do Parque Eduardo VII com forragens para o gado do Serviço de Jardins e Edificações, bem como a substituição nos jardins municipais das flores da estação por hortaliças e legumes; a municipalização do pescado para o embaratecer; conclusão urgente da ampliação e modificação do Mercado da 24 de Julho; que o mau tempo não impedisse os operários de receber o seu salário, mesmo que não pudessem trabalhar, tal como acontecia com o encarregado e o apontador; a averiguação do ensino nas associações que diziam ser escolas; a inauguração de um curso noturno para adultos na Escola Central nº 14 do Largo do Leão; a transferência de um professor da escola nº 24 para a nova escola nº 84 ao Rego e outro, da escola nº 2 para a nº 76;  reparação da estação de incêndios de Xabregas e o aumento do nº de bombeiros auxiliares para serviço nos teatros; abertura do novo lavadouro do Alto do Pina e autorização para a autarquia  contrair um empréstimo de 500 contos.

José Carlos da Maia (Olhão/16.03.1878 – 19.10.1921/Lisboa), filho de um Oficial da Marinha, Carlos Augusto da Maia e de Maria da Encarnação Cruz, morava em Lisboa desde bebé, e foi também ele um Oficial da Marinha de Guerra que se destacou enquanto político republicano. Desde novo participou em todas as conspirações contra o regime monárquico com Machado Santos e Cândido dos Reis, tendo participado empenhadamente na implantação da República.

Depois, foi deputado à Assembleia Constituinte de 1911, Governador de Macau de 1914 a 1916, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Ministro da Marinha de Sidónio Pais de 9 de março a 7 de setembro de 1918, Capitão de Porto de Portimão e Ministro das Colónias de José Relvas, de 26 de janeiro a 21 de março de 1919.

Em 1921, quando se encontrava afastado da política ativa, foi assassinado na revolta conhecida como Noite Sangrenta, em 19 de outubro de 1921, tal como o  presidente do Ministério António Granjo e Machado Santos, entre outros.

José Carlos da Maia foi agraciado com a Comenda da Ordem Militar de Avis (11 de março de 1919) e postumamente, com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada (11 de Novembro de 1927). A sua  viúva, Berta da Maia, esforçou-se por encontrar os responsáveis pelo assassinato do seu marido quando ele contava 43 anos, tendo sido colocada no mesmo jazigo que fora erigido em 1924 no Cemitério dos Prazeres. Como José Carlos da Maia ou Carlos da Maia, o seu nome integra também a toponímia dos concelhos de Almada (em Porto Brandão e Vale de Cavala), Cascais (na Parede e em São Domingos de Rana), Lagoa, Odemira, Olhão, Portimão, Porto e Setúbal.

Freguesia de Campo de Ourique
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

 

Livro de Bordo da Rua José Cardoso Pires

Freguesia do Lumiar (Fotos: NT do DPC)

Alfacinha de coração, como a si próprio se definia, José Cardoso Pires, legou-nos 50 anos de atividade literária onde cresceram títulos como O Render dos HeróisCartilha do Marialva,  Dinossauro Excelentíssimo, Balada da Praia dos Cães, Alexandra Alpha ou De Profundis, Valsa Lenta, para além do Lisboa, Livro de Bordo sobre esta cidade capital do país – de que se assumia amante – e na qual vivia a sua boémia, sendo que desde o dia 18 de novembro de 2003 ficou no seu seio, a dar o seu nome a uma Rua da Freguesia do Lumiar – até aí identificada como Rua D da Malha 15 do Alto do Lumiar -, a ligar a Avenida Álvaro Cunhal à Avenida David Mourão-Ferreira.

José Cardoso Pires por João Abel Manta (1981)

De seu nome completo José Augusto Neves Cardoso Pires (Vila do Rei-aldeia de S. João do Peso/02.10.1925 – 08.07.1998/Lisboa), filho de Maria Sofia Cardoso Pires Neves  e de José António das Neves, foi um vulto das letras portuguesas que se distinguiu no jornalismo, na crónica, na dramaturgia, no romance e ensaio.

José Cardoso Pires veio morar para Lisboa com poucos meses de idade, para o n.º 7 da Rua Carlos José Barreiros, em Arroios,  e esta foi a sua cidade do coração, a quem dedicou inúmeras páginas e mesmo uma obra inteira – Lisboa, Livro de Bordo (1997)- para além de, em 1975, ter exercido as funções de Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa.

Aluno do Liceu Camões frequentou Matemáticas até ao 3º ano na Faculdade de Ciências mas partiu para a Marinha Mercante, cumpriu tropa e fez colaborações literárias esporádicas até em 1948 iniciar a sua carreira literária, com Caminheiros e outros contos,  a que se seguiu Histórias de Amor (1952) que foi apreendido pela PIDE. Somou 18 títulos de que destacamos a peça O Render dos Heróis (1960), o ensaio Cartilha do Marialva (1960), a novela O Hóspede de Job (1963) consagrada com o Prémio Camilo Castelo Branco, O Delfim (1968), Dinossauro Excelentíssimo (1972), Balada da Praia dos Cães (1982) que foi Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, Alexandra Alpha (1987) que obteve o Prémio Especial da Associação de Críticos de S. Paulo ou De Profundis, Valsa Lenta (1997). Em 2008 foi publicado, postumamente, o seu Lavagante.

Em 1949 também fundou com Victor Palla, a coleção de bolso «Os Livros das Três Abelhas» e cinco anos depois dirigiu as Edições Artísticas Fólio que revelaram em Portugal a obra de Samuel Beckett. Em paralelo, Cardoso Pires foi jornalista, nomeadamente no Diário Popular, Diário de Lisboa, O Jornal e nas revistas Eva, Almanaque ou &etc e legou-nos inúmeras páginas da sua boémia assumida, percorrida desde o Café Herminius à Cervejaria Portugália  e aos bilhares da Almirante Reis ou à casa de jogo clandestina do carvoeiro da Rua José Estêvão, até ao Café Chiado, o Monte Carlo, o Toni dos Bifes, a Pastelaria Joaninha junto ao Jardim Constantino ou o bar Procópio, na companhia de tantos como Abelaira, Alexandre O’Neil,  Carlos Oliveira, Cesariny, Eduardo Prado Coelho, Gastão da Cruz, Herberto Helder, José Gomes Ferreira, Luiz Pacheco,  Manuel da Fonseca, Pedro Oom ou Vespeira.

Democrata empenhado na luta contra a opressão, com Alçada Baptista, Miller Guerra, Lindley Cintra, Joel Serrão, José-Augusto França, Nuno Bragança e Nuno Teotónio Pereira, constituiu em 1966 o núcleo português da Association Internationale pour la Liberté de La Culture. De 1969 a 1971 exerceu com professor de Literatura Portuguesa e Brasileira no King’s College da Universidade de Londres, colaborando também na BBC.

Na sua vida pessoal, casou em 1954 com a enfermeira Maria Edite Pereira – a quem chamava Esquilo-  tendo tido duas filhas – Ana e Rita-, sendo a casa de família na Rua Bulhão Pato, em Alvalade.

José Cardoso foi ainda agraciado com o Prémio União Latina de Literaturas Românicas (1991) e o Astrolábio de Ouro do Prémio Internacional Ultimo Novecento (1992), o Bordalo de Literatura da casa da Imprensa (em 1994  e em 1997), o Prémio D. Dinis da Fundação da Casa de Mateus e o Prémio Pessoa (ambos em 1997), o Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores e o da Crítica do Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários (ambos em 1998), a Ordem da Liberdade (1985) e a Grande Cruz de Mérito Cultural (1989).

Está também presente na toponímia de Abrantes, Alcabideche, Alcochete, Almada, da Amadora, da Amora, de Aveiro, Azeitão, do Barreiro, de Beja, Borba, Camarate, da  Caparica, de Cascais, Castro Verde, da Covilhã, do Estoril, de Faro, do Forte da Casa, de Gondomar, Guimarães, Lagos, da Maia, de Mem Martins, Montemor-o-Novo, Odemira, Oliveira do Hospital, do Pinhal Novo, de Portimão, Porto Salvo, da Póvoa de Santa Iria, Quinta do Anjo, de Rio de Mouro, Rio Tinto, Santa Iria de Azóia, Santo António dos Cavaleiros, São Julião do Tojal, do Seixal, de Sesimbra, Setúbal, Tavira, da Trofa e de Vila Franca de Xira.

Freguesia do Lumiar
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

O maestro Ivo Cruz numa praceta de Benfica

Freguesia de Benfica
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Oito anos após o seu falecimento, junto à artéria da pianista Nina Marques Pereira, em Benfica, nasceu no Impasse A à Rua Nina Marques Pereira a Praceta Maestro Ivo Cruz, em homenagem a este compositor que durante 33 anos dirigiu o Conservatório Nacional de Lisboa. O topónimo nasceu pela publicação do Edital municipal de 15 de outubro de 1993 e a partir de uma sugestão do Sindicato dos Músicos.

Ivo Cruz em 19 de janeiro de 1925
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

O maestro Manuel Ivo Cruz (Brasil – Mato Grosso – Corumbá/19.05.1901 – 08.09.1985/Lisboa), filho de Manuel Pereira da Cruz e de Palmira Machado, um casal de Olhão,  distinguiu-se como compositor, maestro e professor de música. Desde criança viveu em Lisboa e começou a aprender música com António Tomás de Lima e Tomás Borba. Logo a partir de 1921 estudou a  génese da música portuguesa, investigando em arquivos públicos e particulares, sendo também essa uma época em que colaborava regularmente em revistas como a Contemporânea Música, enquanto cursava  Direito na Universidade de Lisboa e que concluiu em 1924. Casou em janeiro do ano seguinte e o casal partiu no dia 19 de janeiro desse ano de 1925, no Vapor Holm da companhia Hugo Stinnes – Holm  para a Alemanha, onde permaneceram 5 anos, enquanto Ivo Cruz estudava Composição, Direção de Orquestra, Estética e História da Música.

O casal regressou a  Portugal em 1931, residindo em Lisboa na Rua do Salitre. Ivo Cruz trabalhava como professor do Conservatório e  organizou a Sociedade Coral de Duarte Lobo, promovendo as primeiras audições modernas de compositores portugueses como Carlos Seixas e João de Sousa Carvalho. Em 1935, dirigia a  Orquestra da Emissora Nacional e dois anos depois fundou a Orquestra Filarmónica de Lisboa, para divulgar o repertório musical português e no ano seguinte, sucedeu a Viana da Mota, como diretor do Conservatório Nacional de Lisboa, função que ocupou durante 33 anos, de 1938 a 1971.

Da sua vasta e diversificada obra musical, de estilo impressionista ao gosto português, sobressaem duas sinfonias, dois concertos para piano e múltiplas canções e peças instrumentais. A sua obra mais conhecida talvez seja a Sinfonia de Amadis, estreada em Lisboa em 1953. Em 1961, entregou a  partitura manuscrita de obras de música sinfónica sobre Lisboa ao presidente da edilidade, general França Borges. E dez anos depois, em 15 de maio de 1971 assinou com o presidente da autarquia, engenheiro Santos e Castro, o contrato para dirigir a Orquestra Filarmónica Municipal.

Reuniu uma importante coleção bibliográfica de temática musical que se encontra integrada na Biblioteca Nacional de Lisboa, como Colecção Ivo Cruz, que inclui o maior conjunto conhecido de autógrafos de João Domingos Bomtempo, tal como dirigiu muitos concertos de festivais ou as temporadas dos Bailados Verde Gaio, dentro e fora do país, sendo ainda diretor dos concertos do Museu do Conde de Castro Guimarães.

Desempenhou ainda funções de Presidente da Associação dos Músicos Portugueses (1933) – em cuja qualidade integrou a Câmara Corporativa -, Presidente do Sindicato Nacional dos Músicos (1936-1948), Vice-presidente da Caixa dos Profissionais de Espectáculos (1936), Vereador da Câmara Municipal de Lisboa (1938 – 1941) sob a presidência de Duarte Pacheco e de Eduardo Rodrigues de Carvalho, deputado em quatro legislaturas ( 1935-1949 ) e membro consultivo do Teatro Nacional de São Carlos e do Instituto de Alta Cultura.

Na sua vida pessoal, casou com Isaura Cavalheiro em 3 de janeiro de 1925, na Igreja de São Sebastião da Pedreira e o Arquivo Municipal de Lisboa possui o álbum desse casamento, fotografado por Eduardo Portugal. Na sequência desse casamento foi pai de Maria Teresa Cavalheiro Cruz (1926)  e do seu segundo casamento com Maria Adelaide Burnay Soares Cardoso (Lalá), foi pai do também maestro Manuel Ivo Soares Cardoso Cruz (1935). Em 1985 publicou, em edição de autor, a sua  autobiografia, intitulada O que fiz e o que não fiz.

O maestro Ivo Cruz foi galardoado com a Comenda da Ordem de S. Tiago, o Grande Oficialato da Ordem de Instrução Pública, a Medalha Municipal de Lisboa (1981) entregue numa sessão de homenagem no São Luiz, bem como a distinção de Cavaleiro da Ordem Espanhola de Afonso o Sábio e da Ordem Brasileira Cruzeiro do Sul, sendo ainda presença das toponímias de Corroios, Mem Martins e Porto.

Freguesia de Benfica
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

Jardim Ferreira de Mira, o médico do Instituto Rocha Cabral

Freguesia de Benfica
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Médico fisiologista da Faculdade de Medicina de Lisboa e historiador da medicina portuguesa, que a partir de 1922 fundou e dirigiu o Instituto Rocha Cabral, Ferreira de Mira dá o seu nome a um jardim lisboeta de Benfica, próximo do Hospital da Luz, 63 anos após o seu falecimento, através da deliberação camarária de 26 de outubro de 2016 e consequente Edital de 10 de novembro, a partir da sugestão do Prof. José Pedro Sousa Dias enquanto membro da Comissão Municipal de Toponímia em representação da Universidade de Lisboa.

Em 1926 na Ilustração Portuguesa

Mathias Boleto Ferreira de Mira (Montijo – Canha/21.02.1875 – 07.03.1953/Lisboa), formado na  Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa em 1898 e discípulo de Mark Athias, foi um médico e professor universitário que também fundou e dirigiu o Instituto Bento da Rocha Cabral a partir de 1922. Começou por exercer medicina no Hospital da Misericórdia da vila de Canha, mas veio viver para Lisboa em 1910 e dois anos depois era já  professor de Fisiologia, na então nova Faculdade de Medicina de Lisboa, a que mais tarde somou a regência da cadeira de Química.

Como investigador científico, Ferreira de Mira teve a oportunidade de fundar e dirigir a partir de 1922 um Instituto de Investigação na área das Ciências Biológicas, com o nome de um transmontano que no Brasil ficou multimilionário –  Bento da Rocha Cabral (1847-1921)- e que  no seu testamento deixou as verbas necessárias para o efeito com a indicação de quem o devia dirigir. O Instituto de Investigação Científica de Bento da Rocha Cabral ficou instalado na casa adquirida e reconstruída em 1902 pelo benemérito e que até aí lhe servira de morada em Lisboa, no nº 14 da Calçada Bento Rocha Cabral – assim denominada desde 1924 já que antes era a Calçada da Fábrica da Louça – e começou a realizar investigação a partir de 1925 com quatro investigadores: o próprio Matias Boleto Ferreira de Mira, o seu filho Manuel Ferreira de Mira (falecido em 1929), Luís Simões Raposo – na toponímia da freguesia do Lumiar desde 25/10/1989- e Fausto Lopo de Carvalho- na toponímia da freguesia de Marvila desde  04/11/1970-, que na década seguinte conseguiu dominar a tuberculose em Portugal. Foi este Instituto que acolheu as primeiras investigações com animais que permitiram a Egas Moniz a descoberta da angiografia e o desenvolvimento da angiopneumografia em conjunto com Almeida Lima e Lopo de Carvalho. Também aqui trabalho como investigadora a  primeira portuguesa doutorada em ciências biológicas, a fitopatologista Matilde Bensaúde.

Matias Ferreira de Mira foi também um membro dirigente da Sociedade Portuguesa de Biologia e, sobretudo nos jornais e revistas Luta de Brito Camacho, Diário de Notícias e Seara Nova, escreveu dezenas de artigos de vulgarização científica, na área da biologia e de outras ciências, assim como redigiu livros didáticos como Lições de Químico-Fisiologia elementar, Exercícios de Química Fisiológica (com Mark Athias) ou Manual de Química Fisiológica. Também deu dezenas de conferências sobre temas científicos e foi o autor da  História da Medicina Portuguesa (1947) e de biografias como a de Brito Camacho (1942), com Aquilino Ribeiro.

Ferreira de Mira foi também um cidadão empenhado na política tendo sido vereador da Câmara Municipal de Lisboa, com o pelouro da Instrução Primária, a partir de 1912, assim como foi  deputado da Primeira República, de 1922 a 1925, por Santarém, eleito com António Tavares Ferreira, Ginestal Machado e João Teixeira de Queiroz Vaz Guedes.

Matias Ferreira de Mira está também presente na toponímia da Charneca da Caparica.

Freguesia de Benfica
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)