Do Beco da Linheira à Travessa do Ferragial

A Travessa do Ferragial cerca de 1945
(Foto: Fernando Martinez Pozal, © CML | DPC | Arquivo Municipal de Lisboa)

Hoje na Freguesia de Santa Maria Maior e a ligar a Calçada do Ferragial à Rua Vítor Cordon, a Travessa do Ferragial  nasceu por Edital do Governo Civil de Lisboa de 7 de novembro de 1874 como novo topónimo do Beco da Linheira, na altura na freguesia dos Mártires e de São Julião do Bairro Central, por solicitação da Câmara Municipal de Lisboa, a partir de uma proposta do vereador Francisco Margiochi aprovada na edilidade lisboeta em 17 de agosto de 1874.

O quinhentista sítio do Ferragial é uma denominação que evoca uma planta de pasto e permaneceu no casco velho da cidade em três topónimos: a Calçada, a Rua e a Travessa, todos com a administração hoje repartida pelas freguesias de Santa Maria Maior e Misericórdia.

Ferragial provém do latim farrago e serve para designar o campo onde se cultivam cereais que ceifados verdes e antes de espigar servem de pasto para animais. De acordo com o olisipógrafo Luís Pastor de Macedo, « Já no “Sumário” encontramos, em 1551, na freguesia dos Mártires as ruas de Cima e do Ferregial. O “Itinerario lisbonense” descrimina bem: Ferregial de Baixo, a primeira à direita, subindo pela rua do Alecrim e termina na Calçada do Ferregial; Ferregial de Cima, a última à direita, entrando na rua de S. Francisco da Cidade, da parte do Chiado e termina ao tesouro velho.» Ainda segundo Luís Pastor de Macedo, a Travessa do Ferragial também terá sido chamada Calçadinha do Arroz.

Por este mesmo Edital do Governo Civil de 7 de novembro de 1874, foram também alterados os seguintes topónimos: a Travessa das Moças passou a Travessa do Olival a Santos, a Rua da Praga passou a integrar a Rua do Cardal de São José, o Pátio ou Largo da Alfândega Velha  mudou para Rua do Cais da Alfândega Velha, assim como uma nova travessa aberta na Rua da Junqueira ganhou a denominação de Travessa do Cais da Alfândega Velha.

Freguesias da Misericórdia e de Santa Maria Maior

© CML | DPC | NT | 2019

Anúncios

Da Travessa das Moças à Travessa do Olival a Santos

A Travessa do Olival a Santos em data entre 1898 e 1908
(Foto: Machado & Souza, © CML | DPC | Arquivo Municipal de Lisboa)

Hoje na Freguesia da Estrela, a ligar a Rua Presidente Arriaga à Rua do Olival, está a Travessa do Olival a Santos que nasceu por Edital do Governo Civil de Lisboa de 7 de novembro de 1874 como novo topónimo da Travessa das Moças. A proposta partira do vereador municipal Dr. Isidoro Viana que viu aprovada em Câmara a sua proposta para solicitar ao Governo Civil de Lisboa a alteração do topónimo Travessa das Moças para Travessa do Olival a Santos.

Luís Pastor de Macedo nas suas Peregrinações em Lisboa ( vol. IV) aponta que em 1705 esta seria a travessa da Rua do Olival, como é referida no Livro IV de óbitos de Santos. Este olisipógrafo, tal como Gomes de Brito no seu Ruas de Lisboa ( vol. II), concordam que depois a artéria passou a denominar-se Travessa das Moças, como aparece já referida em 1758, no Livro IX de óbitos de Santos e de igual forma consta no Itinerário lisbonense de 1818, na planta de Filipe Folque de 1856 e em documentos municipais de 1871 e 1872.

Por este mesmo Edital do Governo Civil, foram também alterados os seguintes topónimos: o Beco da Linheira passou a Travessa do Ferragial; a Rua da Praga passou a integrar a Rua do Cardal de São José; o Pátio ou Largo da Alfândega Velha  mudou para Rua do Cais da Alfândega Velha e também uma nova travessa aberta na Rua da Junqueira ganhou a denominação de Travessa do Cais da Alfândega Velha.

Travessa do Olival a Santos mapa

Freguesia da Estrela

© CML | DPC | NT | 2019

Lisboa Mistura no jardim da quinta dos fósseis pré-históricos

Freguesia do Lumiar

Hoje é último dia do Lisboa Mistura 2019  que desde dia 8 de junho tem decorrido no Jardim da Quinta das Conchas, espaço cuja toponímia  decorre de vestígios aí encontrados, fósseis calcários do Miocénico lisboeta ( ou seja, de cerca de 20 a 7 milhões de anos atrás), como sucedeu no Alto das Conchas, em Marvila, e onde  no séc. XVI nasceu uma quinta agrícola.

Lisboa Mistura é um festival com músicos internacionais do Médio Oriente, da América do Norte e de África, assim  como grupos comunitários, de diferentes gerações e proveniências culturais, para celebrar a comunidade urbana e a diversidade que integra o ADN de Lisboa. Pela primeira vez realiza-se na Quinta das Conchas, na Freguesia do Lumiar, depois de ter tido como palcos o Castelo de São Jorge, o Largo do Intendente Pina Manique ou a Avenida da Ribeira das Naus.

 

A Quinta das Conchas está perpetuada na Rua da Quinta das Conchas e no parque ou jardim da Quinta das Conchas. Os fósseis pré-históricos definiram o nome do lugar e em meados do século XVI aí nasceu a Quinta de Afonso de Torres, sabendo-se que já em 1520 era um morgadio deste rico negociante de origem espanhola. Sucederam-se vários proprietários na Quinta das Conchas de que se destaca no final do séc. XIX,  em 1897, Francisco Mantero, um dos grandes exploradores das roças de café de São Tomé – que dá nome a uma Rua dos Olivais tal como seu filho, Mantero Belard, dá a uma Rua de Santa Clara -, que somou a parte rústica da Quinta das Conchas à sua Quinta dos Lilazes, onde a sua residência reproduzia o modelo  da mansão colonial, e incluindo um grande lago artificial,  com duas pequenas ilhas nas quais plantou palmeiras, em homenagem às ilhas de São Tomé e Príncipe.

Contudo, no século XX, a área desta Quinta foi mais utilizada pela então muito recente indústria cinematográfica, uma vez que  em 1920 foi nela fundada  a Caldevilla Film, que produziu por exemplo, Os Faroleiros e As Pupilas do Senhor Reitor e doze anos depois, em 1932, foi a vez da Tobis Portuguesa adquirir parte da Quinta para aí edificar os seus estúdios. Em 1966, os descendentes de Francisco Mantero transferiram para a Câmara Municipal de Lisboa a gestão da Quinta que recebeu obras de requalificação em 2005 que mereceram o Prémio Valmor e Municipal de Arquitectura desse ano.

Freguesia do Lumiar

© CML | DPC | NT | 2019

A Rua dos Santos à Campolide

Rua de Campolide – Freguesias de Campolide e de São Domingos de Benfica

A extensa Rua de Campolide, que hoje se estende da Rua do Arco do Carvalhão à Avenida Columbano Bordalo Pinheiro,  acolhe o arraial  Santos à Campolide no renovado Parque Urbano da Quinta do Zé Pinto, até ao  próximo dia 16 de junho.

A Rua de Campolide nasceu como tal por uma deliberação camarária de 30 de janeiro de 1908 na via até aí conhecida como Estrada de Campolide. Antes fora designada como Cruz das Almas, por referência à Ermida da Cruz das Almas, fundada no local em 1756. Mais rigorosamente, a Rua de Campolide é a soma da antiga Cruz das Almas do pós-terramoto que passou a ser Estrada de Campolide, junto com a Estrada de Campolide de Cima e a Estrada de Campolide de Baixo.

Na crónica da conquista de Lisboa aos mouros já aparece referido Campolet ou Campolit, embora tenha aumentado a intensidade do povoamento a partir do século XVIII, com a chegada de gente para a construção do Aqueduto. O olisipógrafo Norberto de Araújo escreveu nas suas Peregrinações em Lisboa, publicadas nos anos 30 do século XX, que «Não significa isto, porém, que Campolide não fosse povoado desde há duzentos anos, mas com carácter rústico arrabaldino – aprazível sítio -, e em aglomerados soltos, dos quais o mais assinalado se encontrava no prolongamento da estrada, agora Rua de Campolide, muito além das barreiras (hoje ponto terminal da linha dos eléctricos), sensivelmente no trôço de encosta, entre o actual edifício das Irmãzinhas e o Quartel de Caçadores 5, no local das casas de Estêvão Pinto. No século XVIII, contido entre quintas muradas, estrada de passagem obrigatória – Campolide existia sem definição nem classificação. Algumas das suas casas, hoje de pé ou transformadas atestam quanto te digo».

© CML | DPC | NT | 2019

As Ruas do Arraial do Centieirense

Freguesia do Parque das Nações

A Rua da Centieira e a Avenida de Pádua vão ser o palco do Arraial Popular promovido pelo Grupo Recreativo Centieirense e a Junta de Freguesia do Parque das Nações, no local em que ambas as artérias se encontram.

O Grupo Recreativo Centieirense está sediada na Rua da Centieira nº 88 e foi constituído enquanto associação recreativa em 9 de outubro de 1975.

Freguesia do Parque das Nações

A Rua da Centieira é um topónimo que deve derivar da Quinta da Centieira que ali existiu, tal como havia uma Estrada da Centieira junto a esta quinta e à Quinta Ché, conforme surge na planta topográfica de Lisboa de Silva Pinto, de 1907. A Rua da Centieira é a parte da Estrada da Centieira que sobreviveu enquanto arruamento.

Nessa planta de 1907 podemos ver que outros topónimos desta zona eram a Estrada do Patacão, a Rua do Vale Formoso de Cima, a Quinta dos Paios -que era propriedade de Henrique Bastos-, a Quinta do Brincão, a Quinta do Desterro, a Quinta Nova, a Rua Direita dos Olivais, a Azinhaga do Casal das Rolas, a Rua do Vale Formoso de Baixo, o Casal das Rolas, a Azinhaga dos Manicotes, a Quinta dos Manicotes, a Quinta dos Ingleses e a Quinta do Vale Formoso de Baixo, delineando assim o carácter rural do local.

Por diversas escrituras municipais sabemos também que entre 1906 e 1917 se procedeu ao alargamento da Centieira fosse ela ainda Estrada ou já designada Rua, tendo cedido terrenos para esse efeito Henrique Bastos. Em 1932, para alargamento da Rua da Centieira, também cederam terrenos à Câmara José Lopes Júnior – da sua Quinta Ché – e Albino Marques e sua mulher. E depois, nos anos cinquenta, percebemos a industrialização do arruamento com venda de terreno à UTIC – União de Transportadores para Importação e Comércio (1953) e à SACOR – Sociedade Anónima de Combustíveis e Óleos Refinados (1958) que estava na zona de Cabo Ruivo desde 1940, ao mesmo tempo que a edilidade – em 1956 – comprava prédios e o Pátio Joaquim Pereira a Joaquim Pereira Junior  e a Maria das Dores Pereira.

Segundo José Pedro Machado, no seu Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa, centieira é topónimo de diversos locais em Portugal e deriva de uma ave denominada centieiro, que é também nome de uma localidade no Bombarral.

Já a Avenida de Pádua foi atribuída pelo Edital  municipal de 10 de novembro de 1966 no arruamento de acesso ao Cemitério dos Olivais, também conhecido como Rua E, mas desconhecem-se as razões dessa escolha. A única Ata da Comissão Consultiva Municipal de Toponímia que menciona o assunto é a de 7 de novembro de 1966, na qual apenas se expressa o seguinte : « Processos números 13184/65, 13852/65, 14032/65 e 14052/65, originados por requerimentos de Sociedade Lorilleux-Lefranc [ empresa produtora de tintas para processos gráficos, vernizes e secantes, sediada no lote 67 desse arruamento]e outros, solicitando que seja atribuída denominação definitiva ao arruamento de acesso ao Cemitério dos Olivais. A Comissão foi de parecer que à referida artéria seja atribuído o nome de Avenida de Pádua.»

© CML | DPC | NT | 2019

A Rua dos Sete Moinhos, o primeiro topónimo de 1919

A Rua dos Sete Moinhos em 1939
(Foto: Eduardo Portugal, Arquivo Municipal de Lisboa)

O primeiro topónimo de 1919 nasceu do Edital municipal de 17 de março e foi a Rua dos Sete Moinhos, junto à  Rua do Arco do Carvalhão, no território da Freguesia de Campo de Ourique de hoje, oficializando a denominação pela qual já era conhecido o arruamento.

Conforme se pode ler no Edital emitido pelo então presidente da Câmara Municipal de Lisboa, o bacharel de Direito Alberto Ferreira Vidal, «a Comissão Executiva da Câmara deliberou em sua sessão de 14 de outubro do ano findo, que a rua que começa na Rua do Arco do Carvalhão e finda no Alto dos Sete Moinhos, e que o vulgo denomina Rua dos Sete Moinhos ou Rua do Alto dos Sete Moinhos, tenha a denominação oficial de Rua dos Sete Moinhos.»

Este topónimo perpetua no local a memória do lugar dos Sete Moinhos, que no final do séc. XIX também determinou na zona do vale o Caminho dos Sete Moinhos  e no alto, esta Rua dos Sete Moinhos. Na última década do século XX eram ainda visíveis os vestígios dos moinhos que neste sítio existiram. No séc. XVIII, como se pode ver nas plantas paroquias de 1780, esta zona era a Quinta do Sargento-Mor e nas memórias paroquiais  de 1769 refere-se a «estrada q passa junto à Quinta do Sargº Mor ou de sete moinhos». Aliás, nas proximidades existiu também a Rua do Sargento-Mor que hoje em dia designamos por Rua do Arco do Carvalhão.

Em 1939, de maio a agosto, a edilidade comprou diversos prédios e casas abarracadas nesta Rua dos Sete Moinhos, para conseguir abrir um arruamento de acesso à autoestrada, a A5, também conhecida por Autoestrada de Cascais, a mais antiga autoestrada portuguesa, quando era Presidente da Câmara lisboeta o Engº Duarte Pacheco (de 1938 a 1943). O primeiro troço desta autoestrada – Lisboa-Estádio Nacional – foi inaugurado em 1944.

Nos nossos dias existe também na vizinha freguesia de Campolide, um topónimo semelhante mas posterior, a Calçada dos Sete Moinhos, nascida 5 anos depois, pelo Edital municipal de 17 de outubro de 1924, embora a deliberação camarária ocorra apenas de 3 anos depois, em 24 outubro de 1920.

Freguesia de Campo de Ourique
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Alameda da Quinta de Santo António de Telheiras

Pormenor da Quinta de Santo António na planta de Silva Pinto de 1907

Este topónimo preserva no sítio a memória da Quinta de Santo António e da sua Ermida de Santo António, em Telheiras, na Urbanização da Quinta de Santo António dos anos 80 do século XX.

A Alameda da Quinta de Santo António, que vai da Rua Fernando Namora à Rua Prof. Simões Raposo – no espaço que comercialmente foi denominado Parque dos Príncipes-, foi atribuída pelo Edital municipal de 25 de outubro de 1989 a um troço da Rua B da Urbanização da Quinta de Santo António a Telheiras, perpendicular à Rua A.

Como topónimo, esta Alameda da Quinta de Santo António, surgiu na sequência de um pedido da Junta de Freguesia do Lumiar para que fosse atribuído o nome do médico e investigador Prof. Luís Simões Raposo. A Comissão Municipal de Toponímia na sua reunião de 17 de outubro de 1989 colocou esse topónimo no troço da Rua B situado entre a Alameda da Quinta de Santo António e o Impasse 2 (da Urbanização da Quinta de Santo António), na mesma altura fazendo uso do troço  da mesma Rua B, com início na Rua A e perpendicular a esta, para fixar esta Alameda da Quinta de Santo António, memória de uma das quintas de Telheiras e da sua ermida.

A partir do séc. XVIII povoavam Telheiras proprietários lavradores e assalariados agrícolas, sendo estes últimos que trabalhavam nas quintas dos nobres  então conhecidos como  «os saloios de Tilheiras». Eram famosas as Quintas de São Vicente e de Santo António mas todas estas quintas de lazer possuíam um conjunto de terrenos de cultura e a casa com jardim do proprietário. Em 1758, a Quinta de Santo António pertencia a António Francisco Gorge e tinha uma Ermida dedicada a Santo António,  conforme relato do pároco Feliciano Luz Gonzaga.

Ainda segundo a mesma narrativa deste padre do Lumiar, de 4 de maio de 1758, tinha a paróquia do Lumiar 450 fogos e 2226 pessoas, ficando a um quarto de légua de distância do lugar do Campo Grande; precisa ainda que «os lugares que compreende são o do Lumiar que tem 188 fogos e 93 pessoas, o de Tilheyras em que se acham 92 fogos e 440 pessoas, o do Paço com 122 fogos e 603 pessoas, tem mais 2 lugares pequenos que são a Urmeyra que tem 5 fogos e 34 pessoas, e a Torre do Lumiar que tem 19 fogos e 104 pessoas, e os mais fogos que tem que são 24 em que habitam 142 pessoas são em várias quintas que se acham pelos limites desta freguesia».

Mais tarde, na planta de Silva Pinto de 1907 ainda está assinalada a Quinta de Santo António, bem como a Quinta dos Ingleses e a Quinta da Torre do Fato e ainda depois, nas plantas municipais  de 1967 do plano de urbanização da malha de Telheiras ainda aparece a Quinta de Santo António.

Freguesia do Lumiar
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

Da rural Calçada do Salitre à Rua do Salitre

Em 1812, Rua do Salitre, na planta do Duque de Wellington
(Arquivo Municipal de Lisboa)

Até ao séc. XIX a Calçada do Salitre ainda guardava muito do seu passado rural, logo a começar pelo seu topónimo derivado das nitreiras das hortas dos frades Cartuxos e será após a construção da Avenida da Liberdade que, gradualmente, passará a ter antes a categoria de Rua.

A Rua do Salitre que hoje vemos a ligar a Avenida da Liberdade ao Largo do Rato é segundo Norberto de Araújo, um arruamento da Lisboa do séc. XVII e  não anterior a 1665. Este topónimo nasceu das nitreiras ou salitrais que os frades de São Bruno – conhecidos como Cartuxos ou Brunos- tinham nas suas hortas, nos terrenos que detinham nesta  artéria, já que salitre é o nome vulgar do nitrato de potássio, um adubo. O Salitre ganhou ao  topónimo anterior, do séc. XVI, que era Horta da Palmeira. Ainda de acordo com o olisipógrafo «No século XVI estes sítios por aqui, acima de Valverde, eram dos Ataídes, Condes da Castanheira, em prazos que se prolongavam do Sul (…); uma dessas terras era chamada Horta da Palmeira, terreno que um Ataíde, D. Jorge, que foi bispo de Viseu e capelão-mór do Cardeal D. Henrique doou, antes de morrer (1611), aos frades brunos ou cartuxos do Convento de Laveiras, para neste sítio fazerem um hospício.»

Após o terramoto de 1755, o Cartulário pombalino indica Rua do Salitre, a propósito da abertura da que virá a ser a Travessa de São Mamede (desde 1945 é a Rua Nova de São Mamede), para se fazer a ligação da primeira à  Rua Nova da Cotovia (Rua da Escola Politécnica).

Calçada do Salitre em 1857, na planta de Filipe Folque
(Arquivo Municipal de Lisboa)

E no século seguinte, a memória rural da zona era ainda muito presente na toponímia próxima da Rua do Salitre, como na Azinhaga do Vale do Pereiro que ainda surge na planta de 1857 de Filipe Folque – que indica ainda Calçada do Salitre -, bem como na Travessa das Vacas que só em 28 de maio de 1897 passou a ser a Travessa do Salitre. E neste século XIX, em diversos documentos municipais como plantas, requerimentos ou licenças para construção ou obras em prédios esta artéria tanto é assinalada quer como Calçada quer como Rua, mesmo que na 2ª metade do século seja mais usado Rua, sendo exemplo maior dessa dupla grafia um processo de expropriação de 1881- para a abertura da Avenida da Liberdade- em que a planta do local de Ressano Garcia refere Calçada e no texto do Presidente José Gregório Rosa Araújo se menciona Rua.

Freguesia de Santo António
(Foto: Google Maps editada pelo NT do DPC)

 

 

 

A Calçada da Quintinha do Marquês de Pombal

A Calçada da Quintinha em 1953
(Foto: Fernando Martinez Pozal, Arquivo Municipal de Lisboa)

A Calçada da Quintinha, onde assenta um dos arcos do Aqueduto das Águas Livres e que hoje no seu nº 6 lhe dá morada, é um topónimo proveniente da Quintinha do Carvalhão, isto é, de uma das propriedades que o Marquês de Pombal possuía em Campolide.

Campolide medieval e renascentista era uma soma de campos e quintas «fora de portas», isto é fora da cidade de Lisboa, vocacionada para a produção agrícola de frutas, vinho e azeite, para além de desde o século XV ali se proceder à extração da pedra existente, prática que acabou por também se fixar em topónimos como a Rua da Cascalheira do séc. XIX e a Rua da Pedreira do Fernandinho atribuída em 1986.

Por ordem de D. João V, através do seu alvará de 12 de maio de 1731, foi erguido o Aqueduto das Águas Livres, para melhorar o abastecimento de água a Lisboa, e em Campolide arrabaldino começam nos finais do século XVII e inícios do século XVIII a surgir outras quintas, pertencentes a nobres ou a ordens religiosas, sendo um grande proprietário local aquele que era conhecido como Carvalhão, de seu nome Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal, que aqui detinha propriedades que se estendiam desde a Cruz das Almas até à Ribeira de Alcântara, sendo dono de casas, terras, olivais, pedreiras (a da Cascalheira, por exemplo), fornos de cal, moinhos e azenhas. Foi justamente  uma das suas Quintas, a Quintinha, que deu  o seu nome à Calçada, onde as casas solarengas ostentavam no portal de acesso o brasão do Marquês.

No séc. XIX, o Atlas de Filipe Folque de janeiro de 1857  já mostra a Calçada da Quintinha  a ligar a Estrada do Aqueduto das Águas Livres até um arco do próprio Aqueduto, situada à esquerda da Estrada da Circunvalação e passando pela Calçada dos Mestres e a Meia Laranja das Águas Livres. Em 31 de outubro de 1896, nasceu no nº 17 desta Calçada o futuro maestro Pedro de Freitas Branco.

Em 1907, a edilidade traçou um plano de alargamento da Calçada da Quintinha e do caminho entre o Alto dos Sete Moinhos e o Largo da Senhora de Santana. Hoje, a Calçada da Quintinha começa na Rua Dom Carlos de Mascarenhas e segue até junto ao prolongamento da Rua 12 do Bairro da Calçada dos Mestres.

Freguesia de Campolide
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)

A Azinhaga de um Jogo com Bola

Freguesia do Lumiar
(Foto: Sérgio Dias| NT do DPC)

No Paço do Lumiar, ainda hoje permanece a Azinhaga do Jogo da Bola, a ligar a Alameda Mahatma Gandhi ao Largo de São Sebastião, como memória da ruralidade desta zona outrora, antes mesmo de ser parte da cidade de Lisboa.

Referências escritas à Azinhaga do Jogo da Bola surgem em  1907 na planta Topográfica de Lisboa de Júlio Silva Pinto e Alberto de Sá Correia, a correr junto à Quinta dos Ingleses, à Azinhaga e Quinta da Torre do Fato, à Estrada de Telheiras e à Quinta de Santo António.

O jogo da bola evocado neste topónimo deve provavelmente ser o jogo da pela, um antepassado do ténis,  cuja prática aproveitava terrenos amplos ao ar livre usando uma bola de cortiça forrada a flanela que era batida com a mão nua. Mais tarde, passaram a usar-se umas luvas e raquetes especiais.O jogo da pela uma das  atividades de lazer dos nobres e dos burgueses nos séculos XVIII e XIX.

Na cidade de Lisboa, já antes do Terramoto de 1755 existia uma Calçada do Jogo de Pela na freguesia do Socorro, a ligar a Rua da Palma à Rua do Arco da Graça e que é a mesma artéria que existe hoje sob a administração das freguesias de Arroios e de Santa Maria Maior. Também na freguesia de Carnide encontramos hoje a Travessa e o Largo do Jogo da Bola,  junto ao Palácio dos Condes de Carnide, que segundo Adélia Maria Caldas Carreira na sua comunicação nas 4ªs Jornadas de Toponímia de Lisboa «É provável que esse terreno, enquanto ainda parte integrante da Quinta, constituísse o local escolhido para as práticas desportivas dos proprietários e respectivos convidados, especialmente para o jogo da bola ou da péla.»

Freguesia do Lumiar
(Planta: Sérgio Dias| NT do DPC)